Sitiante é executado com um tiro de revólver na cabeça

No início da manhã desta quarta-feira (7), o sitiante Luiz Carlos Gobo, de 50 anos de idade, foi executado com um tiro na nuca quando estava realizando o trabalho de ordenha das vacas, na mangueira do sítio “Recanto Feliz” de sua propriedade, na zona rural de Itatinga. O principal suspeito é um parente muito próximo da família.

Consta que a mulher de Gobo de nome Marinda, ouviu gritos vindos da mangueira e quando saiu para ver o que estava acontecendo escutou um tiro e dois elementos, um deles encapuzado a rendeu e a arrastou pelos cabelos até para dentro da casa. Depois os marginais apanharam duas bolsas contendo R$ 18 mil em dinheiro e vários cheques e fugiram.

A Polícia Civil foi acionada e o trabalho investigativo teve início com a presença dos delegados Celso Olindo e Sérgio Castanheira e o investigador Caio, na cidade de Itatinga para colher pistas que levem aos assassinos. Todos os indícios levam a esse parente próximo como co-autor do crime. Ele sabia que o dinheiro era guardado em casa.

“Pelas declarações da mulher chegamos até esse cidadão que foi detido no final da manhã de hoje (quarta-feira) na casa de sua namorada na Rua General Telles, no Bairro do Lavapés em Botucatu. Neste local encontramos uma blusa muito semelhante a que o assaltante encapuzado estava usando ao render a mulher”, conta o delegado Sérgio Castanheira (foto).

Outro detalhe revelado pela mulher ? polícia é que é que durante o tempo em que foi mantida refém, o suspeito procurou manter-se afastado, evitando ficar frente a frente com ela, para não ser reconhecido. A complexão física também é muito semelhante, segundo esta testemunha. “Todos os indícios estão contra ele e, por isso, embora não tenha confessado, foi pedido sua prisão temporária para que tudo seja esclarecido”, acrescentou Castanheira. “Nas próximas horas poderemos ter novidades sobre o caso”, acrescentou.