São Manuel inicia construção de novo Distrito Industrial

Nesta segunda-feira, 19 de agosto, foi iniciada a construção do novo Distrito Industrial de São Manuel com a abertura das avenidas num espaço de 11 alqueires, que deverão ser divididos em 47 lotes para receber novas indústrias.  As obras de infraestrutura compreendem a instalação de sistema de saneamento básico com água e esgoto, postes e fios condutores de energia e a abertura de ruas com asfalto, guias e sarjetas.

O prefeito Marcos Monti garante que um de seus objetivos, assim como saúde e habitação, é promover a geração de empregos no Município.  “Ao longo dos últimos anos sucederam-se casos de empresas que procuraram a cidade, mas por falta de locais adequados e incentivos para suas necessidades, elas acabaram se realocando para municípios vizinhos e queremos mudar esse cenário”, disse o chefe do Executivo.

O Diretor de Indústria e Comércio, Saulo Brombini destaca que a localização do Novo Distrito é um dos fatores que mais chama a atenção dos empresários. “Sempre que apresentamos a planta e o projeto para empresários, somos elogiados pela escolha do local, que é privilegiado e ser margeado por uma das principais Rodovias do Estado de São Paulo, a SP-300 (Rodovia Marechal Rondon), sem contar a proximidade com a SP-255 (Rodovia João Melão) e a SP-250 (Rodovia Castelo Branco)”, diz Brombini.

Para o prefeito Marcos Monti a construção do Novo Distrito escreve uma nova página na história de São Manuel. “A população sentirá os benefícios desse grande investimento, desde melhorias urbanas e civis com as quais conviverão, até o crescimento de renda e o fortalecimento do comercio da cidade”, diz o prefeito.

Ele enfatiza que São Manuel já conta com comércios e indústrias que acreditaram no potencial do Município e na atual administração. “Lembremos os pequenos comerciantes, as franquias e as grandes redes que já se instalaram por aqui recentemente. Alguns deles já iniciaram suas atividades gerando empregos à população, outros estão na fase final de montagem, no caso de indústrias, como é o exemplo da MJER, que ocupará um galpão no centro da cidade”, complementa.