Saiu de circulação: PM de Jaú prende casal que falsificava cédulas

Um casal foi preso em flagrante na tarde desta segunda-feira (7) e um adolescente apreendido horas antes acusados de falsificação e emissão, respectivamente, de cédulas falsas na cidade de Jaú (50 quilômetros de Bauru). Materiais utilizados para o crime foram recolhidos.

O empresário Valdir Barbosa de Lima Júnior, 27 anos, já era visado por ter sido detido em outras oportunidades pela Polícia Militar (PM) e por isso não guardava uma grande quantidade de cédulas falsas em sua residência, localizada no Jardim Parati. A mulher dele, Amanda Nunhez Sette, 25 anos, também foi presa.

De acordo com a PM, na tarde de domingo (6) um adolescente de 17 anos trocou duas cédulas falsas de R$ 10,00 por uma legítima de R$ 20,00 em um estabelecimento comercial localizado na avenida Zezinho Magalhães, Jardim Estádio. Porém, funcionários perceberam e, ao tentarem ir atrás do jovem, contaram com a ajuda do próprio acusado que deixou cair o documento de uma motoneta Honda/Biz, além de conseguirem anotar a placa e constatarem ser o mesmo veículo.

Na manhã seguinte, funcionários acionaram a PM por meio do telefone de emergência 190 para denunciarem o fato. Enquanto a ocorrência era registrada na Central de Polícia Judiciária (CPJ), viatura em patrulhamento localizou o adolescente conduzindo a motoneta nas proximidades do prédio, pela avenida Francisco Canhos.

Abordado, o adolescente confessou ter utilizado cédulas falsas no comércio e denunciou ter obtido com um rapaz chamado Barbosa. E como o acusado já era conhecido nos meios policiais, viaturas do Comando de Força Patrulha (CFP) e de Rádio Patrulha se deslocaram para a casa do casal, no Jardim Parati.

No local, a PM apreendeu um pen-drive com modelos de cédulas a serem imprimidas, impressora, notebook, papel especial para impressão de cédulas, sacos plásticos e elásticos utilizados para organizar o dinheiro.

O número de série dos modelos encontrados no pen-drive era idêntico ao encontrado nas cédulas apreendidas com o adolescente.

O adolescente foi encaminhado à CPJ da cidade, onde a autoridade de plantão ratificou sua apreensão por ato infracional.

Já  o casal foi levado à Polícia Federal (PF) de Bauru junto com os materiais apreendidos e receberam a ratificação da voz de prisão pelo crime de falsificação, previsto no artigo 289 do Código Penal Brasileiro, com pena que varia entre 3 e 12 anos de reclusão. O empresário já era investigado pela própria PF.

Você sabia?

Segundo o artigo 289 do Código Penal Brasileiro, “quem tem recebido de boa-fé, como verdadeira, moeda falsa ou alterada, a restitui à circulação, depois de conhecer a falsidade, é punido com detenção, de seis meses a dois anos, e multa”.

O que fazer quando perceber que recebeu cédula falsa?

Primeiro deve-se procurar quem a emitiu e chegar ao estabelecimento que colocou em circulação, que deve substituir por uma legítima.

Se for em caixa eletrônico, deve-se procurar imediatamente algum responsável pela agência. O banco deve realizar o ressarcimento. Isso deve ser feito no máximo no início do dia seguinte ao fato.

Por fim, se nenhuma das alternativas funcionar, procure a delegacia policial mais próxima e registre um boletim de ocorrência (BO) pela falsidade da nota, atitude do banco ou do estabelecimento e não trocar o dinheiro falso por verdadeiro, mesmo após notificá-los.

Se decidir não fazer nada disso e “passar pra frente” a cédula, você pode ser condenado de seis meses a dois anos de prisão.

(Fonte: JC Net)