Quadrilha explode caixas do Banco Santander em Bofete

Durante a madrugada desta sexta-feira (11) por volta das 2h30, uma quadrilha fortemente armado e usando bananas de dinamite, explodiu três caixas eletrônicos da agência do Banco Santander, instalado na Rua Manoel Ribeiro Maracajá, região central da Cidade, ao lado da Praça da Matriz, em Bofete. Foi este o primeiro caso de roubo desta natureza em 2013 cometido contra uma cidade de pequeno porte da região de Botucatu.

No ano passado vários crimes semelhantes foram registrados contra agências da própria Bofete, Pratânia, Anhembi, Santa Maria da Serra, Areiópolis, Torre de Pedra, entre outras. Pelos modos operantes semelhantes, a polícia acredita que os roubos vêm sendo praticados por uma mesma quadrilha especializada que está agindo no interior do estado.

Nesse mais recente crime, segundo relatório policial, vários indivíduos em dois veículos modelo VW Sedan, sendo um branco e outro de cor escura chegaram a Bofete e se dividiram em dois grupos. Um deles permaneceu em frente a base da Policia Militar da Cidade, no cruzamento das ruas Manoel Ribeiro Maracajá com a Vereador Vicente Ferreira Castro e disparou 15 disparos de fuzil contra a viatura que estava estacionada. Dois policiais estavam no prédio, mas não ficaram feridos.

Já o outro grupo invadiu o banco e explodiu os caixas subtraindo certa quantia em dinheiro (não divulgado o montante) e fugiram. A agência bancária foi parcialmente destruída, mas a previsão é que poderá reabrir as portas na próxima segunda-feira (14).

O Comando de Força Patrulha de Botucatu deslocou-se para o local para apoio sendo constatado o roubo na agência bem como danos na viatura prefixo I-12242 que foi atingida por disparos. Após a confecção do Boletim de Ocorrência (BO) o caso foi encaminhado ao setor investigativo da Polícia Civil para buscar a identificação dos assaltantes.

A polícia entende que os integrantes dessa quadrilha especializada vêm de grandes centros como São Paulo, estudam, minuciosamente, o local a ser assaltado e agem no momento oportuno. A preferência por cidades de pequeno porte é em razão do reduzido número de policiais.

Fotos: André Godinho/TV TEM