Quadrilha estoura caixas eletrônicos em Areiópolis

Fotos: FM Integração

A quadrilha especializada em furtos de caixas eletrônicos agiu novamente na região. Por volta das 3h30 da madrugada desta quarta-feira (31) vários homens (de oito a dez) fortemente armados invadiram a cidade de Areiópolis em três carros e se dividiram em três grupos. Um permaneceu em frente ? sede da Polícia Militar (PM) disparando tiros de grosso calibre impedindo a saída dos policiais e os outros dois foram até as agências do Banco Bradesco e Banco do Brasil, no centro da Cidade onde, usando dinamite, estouraram dois caixas eletrônicos para levar o dinheiro do cofre interno. Após as explosões, os marginais apanharam o dinheiro (não revelada a quantia) e fugiram.

Um grande aparato policial da região foi deslocado até Areiópolis, mas os assaltantes não foram localizados. Na fuga os marginais deixaram para trás as marcas do crime com cápsulas deflagradas de espingarda calibre 12 e de fuzil calibre 556 espalhadas em frente ao banco e na sede da PM.

O comandante da 2ª Companhia de Polícia de São Manuel, capitão Maurício Lanhoso esteve no local e destacou que os assaltantes entraram na Cidade em três carros importados, com placas de Piracicaba e Campinas. Parte da quadrilha se dirigiu até a base da PM e passaram a atirar, impedindo a saída dos policiais. Era esse o sinal para que o restante da quadrilha pudesse estourar os caixas eletrônicos.

Posteriormente, os três carros (roubados) usados pelos marginais foram encontrados abandonados em um canavial nas proximidades do Auto Posto Esperança, ? s margens da SP-300, Rodovia Marechal Rondon no trevo de acesso a Areiópolis. Em outros casos semelhantes os assaltantes abandonaram os carros e fugiram em um caminhão lonado que fica, estrategicamente, estacionado no acostamento da rodovia para dar cobertura ao crime.

Esta foi a segunda vez que Areiópolis acaba vítima dos marginais que estão agindo há vários meses na região e também já atacaram as cidades de Conchas, Santa Maria da Serra, Bofete, Pardinho, Pereiras, Anhembi, Porangaba, Torre de Pedra, entre outras. Como nos outros casos, este crime em Areiópolis está sendo investigado. Os marginais agem em cidades de pequeno porte, pois sabem que o contingente policial é menor.