Polícia Ambiental faz apreensão de armas e aves em Porangaba

O 2º Pelotão de Policia Militar Ambiental de Botucatu, em atendimento a denúncia referente ? posse de armas de fogo para caça de animais silvestres e aprisionamento de aves em cativeiro, realizou duas operações na cidade de Porangaba.

Estiveram participando dessas duas operações distintas o 1º sargento Rabelo, o 2º sargento Oliveira e os soldados Viotto e Rojas. Os policiais atenderam a solicitação feita através do telefone (014) 3882-6070, da Polícia Militar Ambiental, que atende toda a população da região.

A patrulha, de posse de mandado de busca e apreensão, deslocou-se até o Bairro dos Mirandas, no Sitio São Pedro, naquele município, onde após buscas na casa de um suspeito localizou uma garrucha calibre 28; uma espingarda cartucheira calibre 32; um cinturão porta-cartuchos; três frascos de espoleta; três frascos de chumbo; dois frascos de pólvora; quatro apitos (pios) para atrair aves; 26 cartuchos intactos calibre 32 e três deflagrados e 11 cartuchos intactos calibre 28 e três deflagrados.

O indiciado (D.V.) foi conduzido ao Distrito Policial (DP) de Porangaba, onde a autoridade policial elaborou o auto de prisão em flagrante delito, por posse ilegal de armas de fogo, sendo o mesmo liberado mediante o pagamento de fiança no valor de R$ 311,00 (trezentos e onze reais).

{n}Mais apreensão{/n}

Ainda nesta sexta-feira, dando prosseguimento ao trabalho de fiscalização em Porangaba, no Bairro dos Mirandas, o 2º Pelotão de Policia Militar Ambiental de Botucatu, em atendimento a denúncia referente ? posse de armas de fogo para caça de animais silvestres, munido com mandado de posse, localizou em outra residência, aves irregulares sendo mantidas em cativeiro.

Foram apreendidos sete pássaros, sendo dois curiós, cinco canários da terra e sete gaiolas de arame e madeira. Nesse mesmo local, foi aprendida, também, uma espingarda do tipo “pica-pau” com sua respectiva capa.

Diante dos fatos, um cidadão de iniciais A.V.C. foi conduzido ao DP, onde a autoridade policial civil elaborou o auto de prisão em flagrante delito, por posse ilegal de arma de fogo, sendo o mesmo liberado mediante o pagamento de fiança no valor de R$ 311,00 (trezentos e onze reais). Além disso, foi lavrado um auto de infração ambiental no valor de R$ 12.500,00 (doze mil e quinhentos reais) por manter espécies da fauna silvestre em cativeiro.