Jibóia de dois metros é encontrada no Distrito Industrial

Uma ocorrência, no mínimo, inusitada foi registrada no final da tarde desta terça-feira (19), pelos policiais militares cabo Adriano e soldado Marques, que fazem parte da corporação da 2ª Companhia de Polícia Militar, de São Manuel.

Os PMs foram acionados por uma empresa instalada no Distrito Industrial daquela cidade, onde uma cobra conhecida, popularmente, por jibóia, com mais de dois metros de cumprimento, havia sido encontrada em uma das salas. O animal aparentava estar prenhe (grávida).

“Houve dificuldade na captura, pois embora este tipo de serpente não seja inoculador de peçonha (veneno), encontrava-se bastante assustado e agressivo. O local foi isolado e o animal capturado com muita cautela para não sofrer nenhum tipo de ferimento”, colocou o cabo Adriano.

Acondicionada em um recipiente seguro, a jibóia, aparentando boa saúde e sem nenhuma lesão, foi solta em seu habitat natural em uma mata de preservação permanente existente as margens da Vicinal Wanda Baroni.

{n}A Jibóia {/n}

A jibóia é uma serpente que pode chegar a um tamanho de 2 a 4 metros e é a segunda maior cobra (a maior é a sucuri) do Brasil, podendo ser encontrada em diversos locais, como na Mata Atlântica, restingas, mangues, no Cerrado, na Caatinga e na Floresta Amazônica. É basicamente um animal com hábitos noturnos (o que é verificável por possuir olhos com pupila vertical), ainda que também tenha atividade diurna.

Ele gera filhotes vivos e a gestação pode levar meio ano, podendo ter de 12 a 64 crias por ninhada, que nascem com cerca de 48 cm de comprimento e 75 gramas de peso. Detecta as presas pela percepção do movimento e do calor e surpreende-as em silêncio. Alimenta-se de pequenos mamíferos, aves e repteis. Matam por constrição, envolvendo o corpo da presa e sufocando-a.

Animal muito dócil, apesar de ter fama de animal perigoso, não é peçonhento (venenoso) e não consegue comer animais de grande porte, sendo inofensiva. É muito perseguido por caçadores e traficantes de animais, pois tem um valor comercial alto, no mercado negro, como animal de estimação.