Homem morre após ser atacado por abelhas africanizadas

A direção do Hospital Municipal da cidade de Itatinga abriu uma investigação interna para apurar a morte de Paulo Rodrigues Marques, um senhor de 47 anos de idade. Ele morreu na tarde desta sexta-feira, depois de ser atendido no hospital em razão de levar dezenas de ferroadas de abelhas africanizadas e ter tomado uma injeção.

A vítima estava pescando ao lado de um amigo de nome Miguel Araújo, em um córrego na zona rural do Município quando foi atacado pelo enxame de abelhas. Os dois homens fugiram em disparada, mas isso não impediu que levassem dezenas de picadas pelo corpo, principalmente na região da cabeça.

Ao retornar para sua casa Marques, começou a sentir-se mal e pediu que a esposa (Geni) o levasse até o hospital. “Ele estava muito mal e tinha dificuldade para respirar e no hospital foi necessário o uso de um cilindro de oxigênio, só que a máscara foi dividida com outro paciente. Houve muita demora para que o atendimento fosse feito. Depois que ele tomou uma injeção, seu estado piorou ainda mais. Começou a vomitar, sentir tonturas e acabou morrendo”, conta a mulher.

A direção daquele hospital não quis falar sobre o assunto e só adiantou que o caso está sendo apurado internamente para avaliar que remédio (injeção) foi administrado pelo atendente e se houve falha (demora) no atendimento como denunciou a mulher da vítima. O caso foi parar na delegacia de polícia e o delegado Celso Taira deverá instaurar o inquérito policial para apurar as causas da morte. O companheiro de Marques passa bem e não corre risco de morte.

{n}{tam:25px}Veneno{/n}{/tam}

Ataque fatal semelhante ao que vitimou esse senhor de Itatinga não é raro e muitos casos de mortes são registrados no País, pois as abelhas africanizadas têm o veneno (apitoxina), mais forte que as outras espécies. Por isso, elas causam mais mortes e ferimentos nas pessoas. A picada de uma abelha desta espécie pode causar distúrbios neurotóxicos, hemorrágicos e hemolíticos.

Os efeitos das picadas das abelhas variam de intensidade, na dependência do número de ferroadas e da sensibilidade do indivíduo ao veneno. Uma só abelha pode armazenar 0,1 mg de veneno e até 500 ferroadas (ou bem menos se a pessoa for alérgica) podem ameaçar a vida de um adulto.

O veneno se manifesta apresentando forte dor nos primeiros 2 a 3 minutos, proporcional ao número de picadas e conforme o local do corpo, seguida de inchação mais ou menos acentuada e vermelhidão no local da ferroada.

Também apresentam sintomas de coceira local ou generalizada (nas pessoas alérgicas), aumento da temperatura corporal, principalmente no local da picada, falta de ar (dificuldade de respirar) e os lábios adquirem cor azulada (em casos de alergia). Em caso de picadas de abelhas a pessoa deve ser levada, o mais rápido possível, a um hospital para que o efeito da toxina do veneno seja neutralizado.