Cadáver encontrado Rio Tietê foi sepultado sem identificação

A polícia ainda não identificou o nome de um cadáver, possivelmente, um pescador, encontrado em avançado estado de decomposição boiando ? s margens do Rio Tietê, em frente a Avenida Prefeito Paulo Conceição Cunha, da Cidade de Anhembi, na tarde de sábado (12). No local estiveram os policiais militares Gabriel e Telles.

O corpo foi localizado e resgatado por uma testemunha de nome Carlos Magno, que amarrou o corpo com uma corda para evitar que fosse levado para o meio do rio. A vítima não portava nenhum tipo documento e pelo estado do corpo não se pode precisar a idade do homem de cor branca e 1,70 metros de altura.

Em exame preliminar feito pela Polícia Técnica Científica (perito Carlos e fotógrafo Alessandro) não foi detectado sinais aparentes de violência o que poderia caracterizar um crime de homicídio. O corpo foi recolhido pela Funerária Coração de Jesus e o caso foi registrado em Boletim de Ocorrência (BO) como morte suspeita pelo delegado Geraldo Franco Pires, que responde por aquele município.

O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Botucatu e sepultado na tarde deste domingo (12), no Cemitério Jardim, como “pessoa desconhecida”, mas as investigações para sua identificação continuam. “Estamos fazendo um levantamento de pessoas que estão desaparecidas, para tentarmos identificar o corpo”, disse o delegado que está responsável pela elucidação do caso e não descarta a possibilidade de ter havido um homicídio.

“Essa hipótese (homicídio) não pode ser descartada. O corpo estava em adiantado estado de putrefação e nesses casos é impossível dizer se houve violência. O resultado da necropsia deverá estar pronto nos próximos e somente através dele é que saberemos o que ocasionou a morte daquele cidadão”, finalizou Franco Pires.