Assaltante é morto a tiros em confronto com a polícia

Fotos: Sidnei Miranda/Folha Regional

 

Um trabalho conjunto da Delegacia Seccional de Polícia e 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPMI), resultou na morte de um assaltante de banco de 20 anos chamado Guilherme Henrique Rodrigues Bueno, de Sumaré. As duas instituições policiais sediadas em Botucatu atendem a 13 municípios da região.

Em razão dos constantes assaltos a caixas eletrônicos de agências bancárias ocorridos nas últimas semanas os comandos das forças de segurança arquitetaram uma estratégia para dar proteção a todas as cidades que fazem parte da área de comando de Botucatu, mantendo policiais em pontos de entrada e saída das cidades. E o plano funcionou.

Na noite de quinta-feira os policiais detectaram que um grupo de criminosos estava tentando entrar pelos fundos do Banco do Brasil, instalado na região central de Conchas, cidade que sofreu cinco ataques nos últimos meses. Ao perceberem a polícia os marginais empreenderam a fuga e um deles, Guilherme Bueno, armado com uma pistola calibre 380, entrou em confronto com os policiais e acabou sendo baleado e morto. Os demais conseguiram fugir usando dois carros: um WV Gol preto e um Civic prata.

O delegado Celso Olindo, revela que a policia militar e civil, já estavam esperando um ataque da quadrilha na região de Conchas e Pereiras. Sendo assim, foi montada uma força tarefa, onde várias viaturas estariam circulando nas cidades vizinhas a espera de algum sinal dos marginais. “Não vamos entrar em detalhes sobre a estratégia, já que essa operação vai continuar. A intenção da polícia não é atirar em ninguém, mas vai reagir à altura sempre que for atacada”, disse o delegado.

Com a morte de Guilherme, a polícia acredita que poderá identificar outros membros da quadrilha. “O trabalho investigativo vai apurar como era a vida desse cidadão e com quem ele se relacionada. Com esses dados acredito que poderemos identificar outros assaltantes”, previu Olindo. “A ideia dos marginais era invadir o banco e estourar o cofre central, já que em algumas agências o dinheiro dos caixas eletrônicos é retirado”, concluiu o delegado.