Adolescente admite estupro contra criança em Itatinga

Após a ocorrência de um estupro de uma criança de seis anos de idade ocorrido no dia 14 (domingo) em Itatinga, o Setor de Investigações com os policiais civis Rui, Glauco e Thiago detectaram que o autor do crime havia sido um adolescente de 15 anos de idade.

Realizando buscas os policiais detiveram o acusado e o encaminharam à  delegacia, onde  prestou depoimento ao delegado Paulo Fábio Buchignani e confessou ter abusado sexualmente da criança, mediante relação anal, causando sangramento. Declarou o sindicado que se motivou pela prática do abuso contra o menino, em razão de estar assistindo muitos filmes pornográficos baixados pela internet em seu aparelho de telefone celular.

Mediante esta confissão o delegado solicitou junto ao Poder Judiciário a internação do adolescente infrator junto à Fundação do Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (foto), que foi prontamente acatada, em razão da violência do ato e o infrator. Antes de ser conduzido  à Fundação CASA, o menor ficou recolhido na Cadeia de Itatinga, onde correu o risco de ser linchado por cerca de 40 pessoas, inconformadas com o crime cometido.

 “O caso está totalmente esclarecido, com a apreensão do adolescente. Por mais repugnante que tenha sido o crime, não se justifica quem quer que seja atentar contra a vida do infrator. Quero ressaltar o excelente trabalho desempenhado pelos policiais na identificação e detenção desse bárbaro crime”, colocou Buchignani.

 

O crime

Na noite deste domingo (14) a mãe de um menino de 6 anos de idade procurou o delegado Antenor de Jesus Zeque, no Plantão Permanente, para revelar que ele havia sofrido violência sexual que teria sido praticada na casa de um vizinho por um adolescente de 15 anos.

A mãe percebeu a violência quando o menino chegou em casa e entrou direto para o banheiro sem falar nada e tomou banho. Desconfiada, ela vistoriou as roupas do filho  e percebeu que havia sangue em sua bermuda e cueca. Ao questionar o filho ele revelou o abuso. Inicialmente, o adolescente  negou o crime.