Zona eleitoral recebe equipamento de biometria

Depois da visita recente de uma equipe do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE/SP) para vistoriar as instalações da 26ª Zona Eleitoral de Botucatu para a implantação do sistema biométrico, previsto para começar entre agosto e setembro deste ano, os equipamentos chegaram e foram recebidos pelo Chefe do Cartório, Igor Ignácio, e do Juiz Eleitoral, José Antônio Tedeschi.

“O TRE visitou vários municípios no sentido de verificar quais zonas estão devidamente aptas a receber a biometria. Como agora estamos instalados em um local amplo e com infra-estrutura adequada, o Tribunal concluiu que chegou a hora de implantar a biometria na nossa zona de jurisdição, que seria Botucatu, Itatinga e Pardinho. A equipe do TRE ficou impressionada com nossas instalações e já está agilizando a implantação do sistema”,  afirmou Ignácio, na ocasião da visita.

Alguns equipamentos que auxiliarão no processo de biometria foram entregues ao Cartório Eleitoral, como painel digital e senhas para atendimento dos eleitores. O próximo passo será o treinamento da equipe e envio do chamado “Kit Bio”, composto de dispositivo de capturas de fotos, escâner para captura de digitais, maleta de transporte e cenário (mini-estúdio fotográfico com assento).

Com esses equipamentos, a equipe realiza a coleta das impressões digitais, além de fazer a fotografia dos eleitores de maneira rápida e fácil. Um escâner de altíssima resolução permite uma leitura de qualidade das impressões digitais e um programa de computador faz o controle de qualidade automaticamente.

O atendimento nos cartórios eleitorais aptos à coleta de dados biométricos é realizado exclusivamente por agendamento, cujo objetivo é evitar filas e demora no atendimento. “Faremos uma ampla divulgação nos meios de comunicação para que o recadastramento seja feito de forma organizada e da melhor maneira possível”, explica Ignácio.

Vale ressaltar que a convocação dos eleitores dos três municípios será obrigatória. Aqueles que não comparecerem no período da biometria terão a inscrição eleitoral cancelada, impedindo de exercer o voto nas próximas eleições.

 

Funcionamento

 

Recadastramento biométrico é o processo de atualização dos dados constantes do cadastro eleitoral, com o objetivo de implantar a identificação de cada eleitor através de impressão digital e fotografia.

O eleitor cadastra os 10 dedos das mãos, tira uma fotografia e cadastra uma assinatura digitalizada. Porém, somente serão usados para autenticação na hora de votar 4 dedos: os polegares e os indicadores. O eleitor poderá escolher qualquer dos seus polegares e indicadores e o sistema permitirá até 8 tentativas para o reconhecimento de alguma dessas digitais. Quem vota com identificação biométrica não precisa assinar a folha de votação no dia da eleição.

A zona que tiver todo o seu eleitorado recadastrado biometricamente estará apta a, na eleição seguinte à revisão, utilizar urna equipada com identificação biométrica, que somente é liberada para o voto após o reconhecimento das digitais do eleitor.

A Justiça Eleitoral adotou a biometria para garantir ainda mais segurança ao processo eleitoral. A implantação no país vem sendo gradual, já que é necessário convocar todo o eleitorado para a revisão biométrica.