Vereadora questiona Executivo sobre aquisição de caldeira

Não satisfeita com o fato de ter obtido respostas do Executivo para seus requerimentos relacionados a uma caldeira a vapor apontada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCU) como desaparecida, a vereadora Rose Ielo (PT) abordou o tema em um novo requerimento. O pedido foi aprovado pela unanimidade dos demais legisladores.

O novo documento foi encaminhado aos secretários municipais de Fazenda e de Administração, Luiz Augusto Felippe e Ricardo Salaro Neto, solicitando que os mesmos informem os valores dos impostos que o Curtume Paulista devia para a Prefeitura, bem como informarem o montante do total devedor, as formas em que foram realizados os pagamentos e se todos os débitos foram pagos.

De acordo com o requerimento encaminhado pela vereadora, a citada caldeira a vapor foi adquirida pela Prefeitura de Botucatu, conforme apontado pelo parecer apresentado pelo Tribunal de Contas do Estado no ano de 2012, em função de abatimentos de débitos fiscais do Curtume Paulista, que era de propriedade da família do ex-prefeito municipal, Pedro Losi Neto.

Em seu requerimento, a legisladora cobra também informações sobre os débitos no valor de R$ 50 mil para saldar uma dívida de imposto devida pelo curtume. Ela pede informações referentes ao montante de impostos devidos. O pedido é para que os dois secretários sejam oficiados e apresentem os documentos com os valores solicitados no documento.

O prefeito alega nada de irregular foi feito, já que a caldeira, em questão,  está exposta em área da Fazenda Lageado para visitação pública, pois representa uma época histórica e está inserida no patrimônio do Município.