Vereador acompanha teste do coraçãozinho de bebê

Nesta segunda-feira, dia 2, o vereador João Elias (PDT) esteve na Clínica do Bebê, situado na Rua General Telles n°323, para acompanhar um exame de oximetria, conhecido como “teste do coraçãozinho”, realizado por profissionais da área. O exame agora é feito em Botucatu graças a Lei Municipal n° 5468/2013 cuja iniciativa foi do vereador pedessista e que determina a realização de oximetria de pulso em todos os recém-nascidos nas maternidades e hospitais do Município.

O objetivo do exame é minimizar os riscos de cardiopatias congênitas e o índice de mortalidade infantil decorrentes da ausência de diagnóstico preventivo. O exame já vem sendo realizado na Clínica do Bebê há 15 dias e até o momento nenhum bebê foi diagnosticado com problemas de origem cardíaca. “É um exame indolor e que nos permite diagnosticar cardiopatias congênitas que podem aparecer nos bebês sem possuir sintomas específicos. Através do oxímetro, fazemos a medição de membros superiores e inferiores e, assim, com índices acima de 95% podemos declarar que a crianças está bem nessa questão. Já estamos realizando o teste do coraçãozinho há 15 dias e, felizmente, até o momento, nenhum bebê apresentou deficiência congênita”, declara a pediatra Fátima Cristina Zambonini.

Michelle Cristine de Oliveira Minharro, enfermeira da Clínica, informa ainda que a instituição está preparada caso algum problema cardíaco seja percebido em bebês. “Não tivemos casos até o momento, mas se, eventualmente ocorrer, temos contato direto com a Unesp para direcionar imediatamente a criança para exames de eco cardiograma e outros procedimentos que podem salvar sua vida. A oximetria tem resultado imediato como também o teste da orelhinha e do olhinho. Somente o teste do pezinho leva algum tempo para oferecer resultados. Agora com o teste do coraçãozinho, todos os testes preventivos estão disponibilizados na Clínica do Bebê”, enfatiza.

O vereador acompanhou o teste do coraçãozinho feito na pequena Eloá, de 13 dias, filha de Cibele e Cleiton Carriel que aprovaram o procedimento e o atendimento realizado. “O exame é muito bom. Prevenir problemas é sempre bom, fico contente em ver que minha filha foi atendida com o exame e está bem”, destaca Cleiton. “Sou mãe de dois meninos e agora tenho a minha princesa. Antes tínhamos que fazer todos os exames na Unesp que sempre era muito demorado. Agora com esta clínica em ponto mais acessível e com esse atendimento de qualidade fico tranquila com a minha filha”, reforça Cibele Carriel.

João Elias ficou satisfeito com os resultados e reforça que o apoio da Secretaria Municipal de Saúde foi decisiva para a implantação do exame de oximetria no município. “A Sociedade Brasileira de Pediatria e a ONG “Pequenos Corações” defendem a oximetria em recém nascidos a fim de que a cardiopatia congênita se torne cada vez mais conhecida em todo Brasil e para que mais vidas possam ser salvas”, destacou o vereador do PDT.

Segundo o parlamentar, atualmente, somente 38% das crianças portadoras de cardiopatia congênita têm atendimento no Brasil e muitas destas crianças não atendidas falecem, sem nem ao menos terem recebido um diagnóstico a tempo de poderem ser tratadas. “Felizmente, agora Botucatu dispõe desse exame graças a Lei Municipal que originou do Projeto de Lei de minha autoria. Contei com o essencial apoio do Secretário Municipal de Saúde, Cláudio Miranda, que disponibilizou recursos humanos e instrumentos necessários para a realização dos exames na Clínica do Bebê sem ônus para o município. Nosso intuito é de sempre ajudar o ser humano e fico contente em verificar que o teste do coraçãozinho está sendo realizado com êxito”, conclui o vereador.

{n}Oximetria {/n}

A oximetria de pulso é um exame indolor, utilizado para medir os níveis de oxigênio no sangue e deve ser realizado em recém-nascidos assintomáticos após vinte e quatro horas de vida, mas antes da alta hospitalar, para detectar a presença de cardiopatia congênita grave que coloca em risco a vida da criança.

Sendo detectada alteração na oximetria, a investigação de problema cardiológico é então aprofundada. Nos locais onde o exame é realizado, os recém nascidos passam pela análise de saturação do oxigênio no sangue, se for detectado oxigênio abaixo de noventa e cinco por cento, é realizado ecocardiograma para investigar a existência de cardiopatia congênita.