Reunião pública na Câmara debate plano cicloviário

Aconteceu esta semana na Câmara Municipal de Botucatu, uma reunião pública com o intuito de debater sobre a implantação do Plano Cicloviário e as várias alternativas do uso das bicicletas no município de Botucatu. A reunião foi iniciativa do vereador Lelo Pagani, que julgou ser importante debater questões relacionadas ao uso das bicicletas na cidade, seja para locomoção para trabalho, lazer, atividade física e turística.

A mesa de debates foi composta pelos vereadores Ednei Carreira (presidente da Câmara Municipal) e Lelo Pagani, secretário de Governo, Carlos Eduardo Colenci, secretário de Mobilidade Urbana, Vicente Ferraudo e representante dos grupos de ciclismo “Caiporas” e “Bk8”, Guilherme José Guimarães Pilan. Também estiveram presentes na reunião pública os vereadores Rose Ielo e Reinaldinho, ciclistas e membros da sociedade civil.

Pilan fez a apresentação de um projeto que representa o anseio dos ciclistas para o município envolvendo a implantação de um anel cicloviário ligando vários pontos da cidade desde Unesp, Demétria, vias alternativas e bairros periféricos. “Os ciclistas não são respeitados no trânsito de Botucatu sendo que a bicicleta é um meio econômico de locomoção e que contribui com o meio ambiente”, disse.

O secretário de Governo, Caco Colenci, explicou os projetos referentes a esse assunto pretendidos pelo Poder Executivo, informando que já está em processo de licitação a ciclovia que irá ligar o Lageado a UNESP utilizando verbas da linha de crédito do programa “Desenvolve São Paulo” que foi obtida pelo Prefeito Municipal e que contará com um parque linear com acessibilidade e academias ao ar livre.

Caco Colenci fez uma proposta que poderá ajudar a categoria dos ciclistas a obter benefícios e, ao mesmo tempo, ajudar o município. “Faço aqui a sugestão de que os ciclistas constituam uma associação para representar a categoria e trabalhar em parceria com a Prefeitura Municipal, através de convênio, para nos ajudar na implantação de ciclovias em Botucatu. Ciclovias possuem um alto custo e necessita de captação de recursos junto aos governos estadual e federal, por isso, necessitamos também da colaboração dos ciclistas e até mesmo dos vereadores na busca por verbas para a concretização das ideias propostas aqui”, declarou.

A duplicação da Rodovia Antônio Butignoli, de acordo com Colenci, também irá contemplar uma ciclovia e somente a Rodovia Domingos Sartori ainda não prevê tal benefício uma vez que a via é de responsabilidade da Concessionária Rodovias do Tietê e projeto de ciclovia não foi incluído no plano de obras da empresa.

Com relação a uma possível ciclovia ligando a cidade ao bairro da Demétria, que segundo Guilherme Pilan é uma reivindicação antiga dos ciclistas, Caco Colenci afirma que em entendimentos com o Departamento de Estrada de Rodagem (DER, poderá ser feito um trecho de ciclovia entre a Avenida Itália e o posto de combustível existente na Rodovia Gastão Dal Farra, depois de referido trecho, a questão também se enquadra no que acontece com a Rodovia Domingos Sartori. “A apresentação do Guilherme só vem ajudar a Prefeitura nessa questão de implantação de ciclovias e ciclofaixas no município”, destacou o secretário.

Vicente Ferraudo, secretário de Mobilidade Urbana, fez questão de frisar que lhe agradou a idéia de ciclofaixas nas vias municipais. “A idéia das ciclofaixas me agrada, principalmente em horários alternativos como acontece, por exemplo, em São Paulo nos finais de semana. Temos que procurar atender a todos dentro do possível e seria interessante realizar ações que estimulem o uso da bicicleta em Botucatu. Cada proposta deverá ser analisada”, informou.

Vereador Lelo Pagani acredita que a reunião foi produtiva. “O debate nesta reunião pública foi produtivo e acredito que a partir de agora os ciclistas de Botucatu poderão obter mais benefícios do Poder Executivo. Tudo o que foi sugerido e reivindicado nesta noite será devidamente encaminhado e tenho certeza de que Botucatu irá avançar no que se refere ao uso de bicicletas, implantação de ciclovias e ciclo faixas. Estaremos sempre acompanhando o processo e assim contribuir com o desenvolvimento de Botucatu”, conclui Pagani.