Reajuste de servidores será votado nessa segunda-feira

O Projeto de Lei de autoria do prefeito municipal João Cury Neto, que reajusta os salários dos servidores municipais em 5% e outros 10% no vale compra e saúde, que hoje custa R$ 300, será votado na sessão ordinária dessa segunda-feira que se inicia ? s 20 horas. A reunião dos vereadores deverá contar com a presença de servidores municipais que estão aguardando uma definição sobre o caso.
Esse mesmo projeto foi colocado em votação em sessão extraordinária ocorrida na última quarta-feira, mas o vereador do PSB, Professor Nenê, pediu vistas, fazendo com que a votação fosse adiada. O parlamentar, usando a tribuna, explicou sua decisão de adiar a votação alegando que pretendia continuar as negociações para que o reajuste chegasse a 6%.
Esta semana Nenê acompanhado do vereador Abelardo (PV) encaminhou um documento ao prefeito João Cury Neto, pedindo que seja aumentado o reajuste para 6%. “Se for colocado em votação o projeto será aprovado, pois a situação tem a maioria. A gente só queria conseguir um aumento melhor de salário para os servidores, pois a proposta não foi colocada em assembléia geral pelo Sindicato dos Servidores”, comentou Abelardo.
Os três vereadores do PT, que são da oposição já manifestaram que votarão favorável ao aumento proposto pelo governo. “É evidente que nós gostaríamos de dar aos servidores um aumento maior, mas não podemos ser radicais e temos que analisar a situação atual do Executivo, que fez uma explanação de como está a situação da prefeitura. Por isso, o PT vota na aprovação do projeto”, ponderou Lelo Pagani.
Com o fechamento do PT na aprovação do projeto, apenas Abelardo e Nenê não se manifestaram se votarão, favoravelmente, ao projeto. A decisão deverá ocorrer pouco antes do presidente da Casa, vereador Curumim, colocar a propositura em votação. Entretanto, eles deverão acompanhar o voto da maioria.

{n}Relembrando o caso{/n}

A Prefeitura e o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Botucatu chegaram a um entendimento para um reajuste de 5% em cima do salário e outros 10% no vale compra e saúde, que hoje custa R$ 300,00. Esse vale compra poderá ser utilizado pelos servidores ativos da Prefeitura em diversos supermercados do Município. Já o vale saúde, que pode ser gasto em farmácias e clínicas médicas e odontológicas, é exclusivo aos servidores aposentados e pensionistas. Após ser formalizado o acordo entre Executivo e Sindicato, a proposta foi encaminhada ? Câmara Municipal.
Porém, sem sessão extraordinária ocorrida no meio da semana passada, o vereador Nenê pediu vistas ao projeto, para prosseguir as negociações e tentar chegar a 6%.

Na justificativa do projeto de reajuste, o prefeito relatou que manteve diálogo com o Sindicato e explicou a situação atual da Prefeitura. No relatório está descrito que o Executivo conseguiu manter o compromisso de oferecer pelo terceiro ano consecutivo um reajuste acima da inflação, o que estabilizará uma média que não corroa ainda mais as perdas dos últimos 12 anos sofridas pelos servidores em gestões passadas.

“Acreditamos que o ganho real no salário é o melhor para o servidor porque gera outros benefícios no 13º, FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e aposentadoria. Isso será mais bem sentido pelos servidores assim que conseguirmos implantar a Reforma Administrativa, este sim um sonho de pelo menos 20 anos que conseguiremos concretizar nesta gestão”, colocou o prefeito João Cury.

Para o presidente do Sindicato dos Servidores, José Manoel Leme, o Mané, a negociação chegou ao seu limite máximo. “Não podemos nos esquecer que este ano acontece a reforma administrativa onde os funcionários serão beneficiados com ganhos reais nos vencimentos. É isso que procuramos passar para os servidores para que o acordo fosse selado”, frisou Mané Leme. “Esse reajuste de 5% já havia sido foi projetado no ano passado, em assembléia”, complementou.

Foto: Valéria Cuter