Parlamentar sugere microchip em animais domésticos

O vereador Lelo Pagani (PT) apresentou uma solicitação de reunião pública para discutir as responsabilidades de cada entidade no recolhimento dos animais domésticos e quer agora que o Poder Executivo invista na implantação de microchips em cães e gatos do município, garantindo assim um controle sobre vacinas, doenças e também, combatendo o abandono dos mesmos, uma vez que o sistema traria todas as informações do proprietário.

O serviço, que já é oferecido em diversas cidades do Brasil, tem ganhado cada vez mais municípios adeptos. Há cerca de um ano atrás, em setembro de 2013, o legislador já havia apresentado tal solicitação e obteve como resposta que as condições para a implantação seriam analisadas para posterior decisão. Como o assunto não evoluiu, Pagani decidiu reapresentar a matéria.

Com a implantação do serviço, o vereador tem dois objetivos em mente, o primeiro deles é garantir mais sucesso nas buscas por animais perdidos. “Frequentemente vemos animais soltos nas ruas, principalmente cães e gatos que estão perdidos ou abandonados. Em qualquer um dos casos, o proprietário do animal seria facilmente identificado com o microchip e assim, as providencias poderiam ser tomadas tanto para devolução do animal, quando para o enquadramento criminal em caso de abandono”, comenta o Pagani.

O segundo objetivo do legislador seria utilizar todos os dados existentes no microchip para o controle de zoonoses do município. “Com a implantação do microchip será possível se manter um controle de doenças e vacinas, obtendo estatísticas de números de animais, um controle sanitário eficaz, evitando assim que problemas graves relacionados a doenças fujam do controle em Botucatu”, justificou Lelo Pagani.