Morre o ativista e intelectual Plínio de Arruda Sampaio

Advogado, ativista, político brasileiro, respeitado intelectual e um dos maiores expoentes do combate a Ditadura Militar e um entusiastas das “Diretas Já”, o ex-deputado federal Plínio de Arruda Sampaio, que completaria 84 anos no próximo dia 26 morreu nesta terça-feira, aos 83 anos, em São Paulo, em decorrência da falência múltipla de órgãos.

Em 1962, foi eleito deputado federal pelo Partido Democrata Cristão (PDC). Após o golpe militar de 1964 foi um dos 100 primeiros brasileiros a terem seus direitos políticos cassados por dez anos, pelo Ato Institucional nº 1, nos primeiros dez dias do regime. Durante o regime militar (1964-1985), Plínio Sampaio viveu no Chile e nos Estados Unidos. Retornou ao Brasil em 1976, no início do processo de abertura política.

Plínio foi um dos fundadores do PT em 1980 e em 1986 foi eleito deputado federal constituinte, com 63.899 votos, tendo sido o segundo mais votado do PT (depois de Luiz Inácio Lula da Silva) e o 27º mais votado de São Paulo. Participou da elaboração da Constituição Federal de 1988 e como deputado constituinte ficou nacionalmente conhecido ao propor e defender um modelo constitucional de reforma agrária, que visava a acabar com os latifúndios.

Candidatou-se a governador do Estado de São Paulo, em 1990, sendo derrotado pelo secretário de Segurança Pública, Luiz Antônio Fleury Filho, candidato do PMDB. Nesse mesmo ano apoiou o movimento pelo impeachment do então presidente Fernando Collor, que se via envolvido em várias denúncias de corrupção. Collor foi afastado temporariamente e, no final de 1992, renunciou ao cargo.

Em setembro de 2005, após desligar-se do Partido dos Trabalhadores, do qual foi um dos fundadores e histórico dirigente, por não concordar com o rumo político da agremiação, ingressou no Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e em 2010 candidatou-se a presidência da República sendo o quarto candidato mais votado, tendo recebido 886.800 votos.

Em 2007, aos 76 anos, participou ativamente da passeata na Avenida Paulista organizada no Dia Internacional da Mulher, pelos direitos da mulher trabalhadora e contra a política externa do então presidente estadunidense George W. Bush. Em 2013, aos 82 anos participou do protesto contra o aumento da passagem de ônibus na Avenida Paulista, as chamadas Manifestações no Brasil em 2013.

Plínio de Arruda Sampaio apoiava a ex-deputada federal, Luciana Genro, do Rio Grande do Sul, como candidata à Presidência da República pelo PSOL, nome que foi derrotado no IV Congresso do Partido. Contudo, com a desistência do senador Randolfe Rodrigues, Luciana será a candidata à Presidência pelo partido.