Hospital Sorocabana gera atrito entre vereadores

Não é de hoje que a relação política entre o líder do prefeito João Cury Neto, vereador Fernando Aparecido Carmoni (PSDB), com relação a parlamentar Rose Ielo  (PT) está muito longe de ser amistosa e a troca de farpas acontece com frequencia.  Isso ficou mais uma vez evidenciado na última sessão legislativa com um requerimento sobre o antigo Hospital Regional Sorocabana, apresentado pela vereadora.

No documento, previsto para ser encaminhado ao promotor de Justiça, Paulo Sérgio Abujamra, ela solicita informações sobre a possibilidade de, no âmbito de competência da promotoria, apurar a responsabilidade, bem como promover as penalidades cabíveis quanto a possível improbidade administrativa do gestor municipal sobre o repasse de R$ 720.000,00 no ano de 2011 ao Hospital Sorocabana, cuja prestação de contas teria sido julgada irregular pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE).

Na defesa do prefeito Carmoni salientou que a vereadora estava fazendo demagogia e que tudo o que foi aplicado teria sido aprovado pelo Tribunal e o fechamento do hospital foi de responsabilidade do prefeito Mário Ielo que não teria investido o suficiente para manter a unidade. Disse, ainda, que o prefeito nunca teve problemas com relação a prestações de contas no seu governo.

“Hoje temos naquele prédio funcionando o Pronto Socorro Pediátrico. O hospital foi salvo para ser devolvido à população.   A senhora faz demagogia com o hospital, mas esquece de dizer que seu marido (Mário Ielo) foi o responsável pelo fechamento dele. Tudo que se refere àquele hospital, na gestão do prefeito João Cury foi feito dentro do que prevê a lei, sem irregularidade, com aprovação do Tribunal. Na verdade a Prefeitura é que foi a vítima nessa história”, colocou Carmoni.

Na resposta, Rose Ielo chegou a chamar, taxativamente, o vereador Carmoni de mentiroso e ressaltou que quando o hospital foi fechado em 2011, o prefeito era o João Cury e não Mário Ielo.  Segundo ela, a prestação de contas, referente ao supracitado repasse, foi julgada irregular devido à falta de ratificação do Plano de Trabalho que deveria ter sido realizado e demonstrado pela administração do hospital, não havendo relatório das ações desenvolvidas, tampouco foram apresentados registros contábeis específicos que viabilizassem, ao menos, a verificação da identidade dos gastos com as ações efetivamente desenvolvidas.

“Eu estou cumprindo o meu papel legislativo que é o de fiscalizar os atos do Executivo. Não estou acusando o prefeito de nada, mas sim pedindo explicações sobre a aplicação desse dinheiro. A Prefeitura não comprovou a economicidade da transferência dos serviços ao Hospital Sorocabana. Não há nada de demagógico nisso. O senhor vereador Carmoni é que mente para defender o prefeito”, colocou Rose Ielo.

A parlamentar não conseguiu completar sua defesa em razão do tempo regimental  ter sido esgotado ficando para concluir sua fala (pouco mais de três minutos) na sessão de segunda-feira da semana que vem, quando o requerimento será, novamente, discutido e colocado em votação. Como a situação tem a maioria da Casa, dificilmente a propositura será aprovada.