Ex-vice prefeito e dois vereadores podem se filiar no PSD

Um dos nomes mais conhecidos da política botucatuense, engenheiro Milton Bosco, pode assinar nos próximos dias sua filiação ao PSD. Atualmente, Bosco faz parte do PV. O convite foi feito pelo prefeito de Itu, Herculano Passos, que está articulando o nome partido na região e pela deputada estadual Rita Passos. Outra notícia que circula nos bastidores políticos da cidade é que os vereadores Abelardo (PV) e Professor Nenê (PSB), também estariam de malas prontas para ingressar no PSD.

Questionado sobre sua possível troca de partido Bosco, admite que foi sondado. “Recebi o convite do Herculano e deputada Rita, por quem tenho um carinho todo especial, mas ainda não tem nada definido e estou analisando essa possibilidade. O que posso dizer é que fiquei sensibilizado com o convite”, reconheceu.

Ainda dentro das probabilidades, Milton Bosco revela que não passa pela sua cabeça sair candidato nas eleições do ano que vem. “Como político que sou, não ficarei fora do processo eleitoral do ano que vem, mas não pretendo ser candidato a nada. Minha idéia é fazer um trabalho nos bastidores dando meu apoio ao candidato que eu entender que tem propostas de desenvolvimento para Botucatu”, coloca.

Diz que não irá prejudicar o PV, caso se decida pelo PSD. “Tenho muitos amigos que vieram comigo para o PV, mas isso não significa que eles devam deixar o partido caso eu me desfilie. Pelo contrário, quero que o PV seja cada vez mais forte. Uma saída minha seria para atender ao pedido de pessoas por quem tenho gratidão”, disse.

O vereador Abelardo diz que está feliz no PV, mas não descarta a possibilidade de mudar de partido. “Estou no PV onde tenho liberdade de expressar minhas opiniões, livre de pressão partidária, mas estou aberto para conversar e se for interessante nada me impede de mudar. O convite me foi feito pela Rita (Passos) e estou analisando com carinho mas, por enquanto, não tem nada certo”, garantiu Abelardo.

Já o professor Nenê foi taxativo. “Posso dizer que fui sondado pelo PSD, assim como por outros partidos, mas não defendo partido sim ideologia popular. Estou bem no PSB, mas posso mudar sim, se achar interessante e isso for bom para meus projetos políticos de trabalhar pela coletividade e fiscalizar os atos do Executivo, sem ver cores partidárias. Por isso, se continuar no PSB ou me filiar no PSD, minha postura política será a mesma”.

Fotos: Valéria Cuter