Eleições 2016: Um deles será o prefeito de Botucatu

Salvo uma grande surpresa no cenário político, o botucatuense já pode visualizar quem são os homens que pretendem governar a cidade pelos próximos 4 anos. É verdade que o quebra cabeça ainda não está totalmente montado, mas mesmo assim, é só uma questão de achar as posições das peças que faltam se encaixar.

Uma coisa é certa, a polarização PT/PSDB que dura praticamente desde 1996 tem tudo para ser quebrada. O Acontece Botucatu traz agora um raio-x das opções que estarão nas urnas eletrônicas em outubro.

 

Mário Ielo – PDT

Por conta do recall eleitoral, foi o primeiro nome a surgir naturalmente no cenário, mas com uma diferença: Saiu do PT e foi para o PDT. Levou consigo antigos companheiros e também sua esposa, a vereadora Rose Ielo. Vem para sua quinta candidatura ao executivo.

Foi eleito prefeito em 2000 com mais de 51% dos votos, sendo reeleito em 2004 com 77% da preferência do eleitorado. Em 2012 perdeu para João Cury com quase 41% dos votos. Mas sua maior derrota foi não ter feito o sucessor em 2008 após 8 anos de governo. É considerado o principal nome da oposição.

 

 

Reinaldinho – PR

Vereador de 4 mandatos, tendo sido presidente entre 2009 e 2010, Reinaldinho entende que chegou sua hora. Foi o segundo pré-candidato a colocar seu nome na disputa para 2016. Enfrenta certa resistência de Cula, presidente de sua sigla, que possui cargo na atual administração. Ao mesmo tempo, tem apoio do Deputado Federal Milton Monti, principal liderança do PR no estado.

Nas últimas três eleições foi o vereador mais bem votado. Apesar de ter apoiado João Cury em 2008 e 2012, tem posicionamento independente na Câmara, impondo certo incomodo ao executivo em algumas votações. Faz questão de dizer que é um servo de Deus, se posicionando desta forma como a chamada terceira via.

 

 

Mário Pardini – PSDB

Escolhido pelos líderes tucanos para a sucessão municipal, Pardini ainda busca seu espaço perante o eleitorado botucatuense. Aposta do atual prefeito João Cury, o superintendente da Sabesp busca convencer a totalidade dos filiados do partido – que ingressou em setembro de 2015 – de que é o nome certo. Em tempos de turbulência política, pessoas próximas apostam no perfil extremamente técnico de Pardini. Seria a figura do administrador na prefeitura em um período de crise econômica. Para se viabilizar, venceu a concorrência de pesos pesados do ninho tucano como os vereadores Izaias Colino e Curumim, além do Caco Colenci, antigo 'il preferiti'. Terá como cabos eleitorais o atual prefeito e o deputado estadual Fernando Cury. Mário Ielo perguntou: Quem é Mário Pardini ? ele respondeu: O ex-prefeito ainda vai ouvir falar muito de mim.

 

 

Gustavo Bilo/Daniel Carvalho – PSOL

O PSOL tem um grupo pequeno, é verdade, mas a intensidade como discutem problemas da cidade é enorme. Uma das bandeiras defendidas com muita disposição é o chamado Passe livre. O partido sabe que tem poucas chances até de eleger um vereador, afinal, já decretaram que não vão se coligar com ninguém. 

Ainda não há uma definição sobre quem será candidato, mas os nomes mais prováveis são do publicitário Daniel de Carvalho e do advogado Gustavo Bilo. Em 2012 Bilo foi o candidato obtendo 935 votos (1,39%). O partido mais ideológico do país busca mais notoriedade em Botucatu para divulgação de suas ideais.

 

 

Junot de Lara Carvalho – PSD

O advogado Junot de Lara Carvalho não era um candidato natural, afinal, são mais de 20 anos longe da política eletiva. Mesmo assim foi o primeiro a dizer ainda em 2014: "Quero disputar em 2016". Foi vereador constituinte de 1989 a 1991, sendo presidente em 1989/90. Em 1992 foi candidato a prefeito, perdendo para Milton Bosco (PMDB) e Jamil Cury (PSDB), este último vencedor para um segundo mandato.

Embora tenha mantido conversas nos bastidores com Mário Ielo e Reinaldinho, Junot lançará sua pré-candidatura no dia 29/02. Em 2012 teve participação importante na eleição do irmão Josey de Lara Carvalho, segundo vereador mais votado da cidade na coligação PSDB/PR com 2.039 votos. Josey faleceu em novembro de 2013. Dizem que ele era um dos nomes prediletos do prefeito João Cury para sua sucessão. 

 

Lelo Pagani – REDE

É a maior incógnita para 2016. Será candidato a prefeito? Vai compor com alguém? (Já disse que gostaria de ser vice de Pardini) ou tentará o quarto mandato de vereador em uma coligação arquitetada pelo atual prefeito? Certo é que Lelo Pagani pode ser o fiel da balança.

Ninguém fala oficialmente, mas pelo menos dois nomes acima nesta matéria já cortejaram o vereador. Enfrenta certa rejeição no PSDB, mas ganhou a simpatia de muitos ao se desligar do PT em fevereiro de 2015. Na oportunidade disse: ‘’O PT tem cacique que te coloca camisa de força”. Foi uma clara crítica ao seu ex- companheiro e hoje desafeto Mário Ielo (que já saiu de lá). De todos citados até aqui, só não andaria junto com o ex-prefeito.