Candidatos a prefeito debatem propostas na AAB

Fotos: Quico Cuter

Um bom número de pessoas ligadas a diferentes segmentos sociais de Botucatu esteve presente no Salão Social da Associação Atlética Botucatuense (AAB), na manhã desta segunda-feira (17) para acompanhar de perto ao debate dos três candidatos a prefeito de Botucatu nas eleições municipais que acontecem dia 7 de outubro deste ano. O evento foi promovido pela Rádio Criativa FM (98,9 MHz ou www.criativafm.com) e Jornal Mais Botucatu, tendo como mediadores os jornalistas Quinteiro Júnior e Clarissa Athaíde, com transmissão ao vivo pelo programa “Bom Dia Criativa”.

As propostas desses homens que postulam governar Botucatu durante o quadriênio 2013/2016 foram debatidas em seis blocos definidos em reunião com a assessoria dos respectivos candidatos. Todos os três candidatos tiveram a oportunidade de explanar suas propostas de gestão e questionarem seus adversários. Estiveram frente a frente o atual prefeito João Cury Neto (PSDB) que busca a reeleição encabeçando a coligação “Todos Juntos Pelo Melhor”; o ex-prefeito Mário Ielo (PT) da coligação “Botucatu Para Todos” e Gustavo Henrique Passerini Alves, o Bilo (PSOL).

Uma comissão julgadora foi constituída para julgar casos de pedido de direito de resposta ao candidato que se sentisse ofendido por outro concorrente. Essa comissão foi formada pelo empresário Sandro Coltri e os advogados Nuno Augusto Pereira Garcia e Juliana Alves Cota Capeluppi. No primeiro bloco os candidatos responderam, por intermédio de sorteio, uma pergunta elaborada pela direção do debate. A João Cury coube o tema

qualificação de mão de obra e ele fez uma explanação geral do que fez nos últimos anos e o que pretende fazer caso seja reeleito. Em seguida Mário Ielo respondeu pergunta sobre vagas em creches. Já para Gustavo Bilo o tema sorteado foi Saúde. No segundo bloco, por intermédio de sorteio, Ielo pediu que Gustavo Bilo explicasse quais seriam seus planos para dar reajuste salarial ao funcionalismo. Em seguida Gustavo Bilo foi sorteado para questionar Ielo e seu tema foi a diferença de ideologia entre os PSOL e os demais partidos. Insinuou que o João Cury e Ielo tiveram a oportunidade de governar Botucatu, mas não promoveram as mudanças necessárias. Encerrando este bloco, João Cury pediu que Gustavo Bilo explicasse quais seriam seus planos de gestão para infra-estrutura e saneamento básico.

No terceiro bloco, com tema livre, o candidato Gustavo Bilo queria saber o que João Cury pretendia fazer para acabar com o problema do Aterro Sanitário. Este, por sua vez, questionou Ielo, fazendo um comparativo do seu governo com o do petista, sobre o número de casas populares construídas em cada governo. Foi então que aconteceu o momento mais tenso do debate. Ielo afirmou que em seu governo irá construir 6 mil casas. João ironizou: “O que me causa estranheza é que candidato Ielo não fica nem vermelho para fazer uma declaração dessas. Em oito anos de governo ele fez 27 casas e agora diz que irá fazer 6 mil em quatro anos”. Ielo não gostou e pediu direito de resposta, mas não foi atendido.

No quarto bloco o candidato também teve o direito de escolher para quem iria fazer a pergunta. Ielo optou por João Cury e o questionou sobre a área de Saúde e ambos divergiram ao comentar sobre os principais problemas e, mais uma vez, fizeram comparações entre os dois governos. Já Gustavo Bilo escolheu João Cury para debater sobre as propagandas, alegando que deveria ser feito um trabalho direcionado para atender as pessoas menos favorecidas, já que o Portal da Transparência só pode ser acessado por quem tem computador.

No quinto bloco os candidatos voltaram a responder perguntas formuladas pela organização do debate e as perguntas foram escolhidas através de sorteio. Ielo respondeu sobre seus planos para a coleta de lixo na cidade e aterro sanitário. João Cury respondeu sobre a situação na Segurança Pública em seu governo e Gustavo Bilo foi sorteado para falar sobre o

transporte coletivo urbano. Encerrando o debate, os candidatos tiveram dois minutos para fazer suas considerações finais.

{n}Considerações{/n}

“O debate foi bom e cada candidato pôde mostrar o que pretende fazer para conduzir o crescimento de Botucatu nos próximos anos. Não temos problema nenhum em comparar nossos três anos e oito meses de governo com os oito anos do nosso adversário, em qualquer área. Fizemos muito, mas entendemos que poderemos fazer muito mais”, disse João Cury.

“Entendo que nesse debate ficou bastante claro a diferença entre os candidatos. Minha gestão como prefeito foi aprovada pela população e queremos voltar ? Prefeitura para dar prosseguimento a este trabalho, com participação popular e melhorar a qualidade de vida da população”, colocou Mário Ielo.

“Acho que o governo do PT é um prosseguimento do (governo) do PSDB e vice-versa. Só o POSL tem proposta diferente de gestão para a Cidade e nossa coligação é com o povo. Meus dois adversários já tiveram oportunidade de governar a Cidade e agora essa responsabilidade deve ser passada a outro”, defendeu Gustavo Bilo.

Para o mediador Quinteiro Júnior o debate foi de alto nível e os candidatos se respeitaram, contando com alguns momentos de tensão, o que foi considerado normal. “Desenvolvemos este debate com a maior lisura possível, com o objetivo de contribuir com a democracia dando aos eleitores botucatuenses a oportunidade de conhecer um pouco mais de cada um dos candidatos que apresentaram suas propostas de gestão e se questionaram”, observou Quinteiro, lembrando que o segundo (debate) está previsto para acontecer dia 3, a partir das 15 horas, também no Salão Social da AAB e com transmissão ao vivo.