Candidato a presidente morre em acidente aéreo

Fotos: Guilherme Dionísio / Estadão

 

O candidato a presidente da República Eduardo Campos (PSB) morreu na manhã desta quarta-feira em um acidente aéreo ocorrido em Santos, onde ele iria cumprir uma extensa agenda de campanha.  O avião onde Campos viajava caiu numa área residencial na Rua Alexandre Herculano, esquina com Rua Vahia de Abreu, a poucas quadras da praia. Sete pessoas ficaram feridas e foram socorridas em hospitais da região e três imóveis foram atingidos.

A aeronave onde o presidenciável estava,  um Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA, havia perdido contato com o controle aéreo após arremeter durante o pouso.  Estavam a bordo desse avião: Eduardo Campos, Pedro Valadares, Marcelo Lira, Alexandre Gomes da Silva, Carlos Augusto Leal Filho e os pilotos Marcos Martins e Geraldo Cunha. O Comando da Aeronáutica informou, por nota, que o avião caiu às 10 horas e já iniciou investigações para apurar o que teria causado o acidente.

Esse avião pertencia à empresa AF Andrade, de Ribeirão Preto (SP), que atua no setor de açúcar e álcool, e já havia sido usada pelo candidato no mês passado, numa viagem ao interior de São Paulo. A candidata a vice-presidente, Marina Silva estava em São Paulo quando recebeu a notícia do acidente.

Nascido em Recife (PE) em 1965, Eduardo Henrique Accioly Campos era neto de um dos mais influentes líderes da esquerda nacional, o ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes. Iniciou a militância política durante a faculdade de Economia, quando presidiu o diretório acadêmico do seu curso na Universidade Federal de Pernambuco. Ingressou no PSB em 1990, acompanhando o avô, com quem trabalhava. Elegeu-se deputado estadual neste mesmo ano.