Alckmin e seu secretariado tomam posse

Em seu discurso de posse ocorrido nesta quinta-feira (1º de janeiro)  o governador  reeleito Geraldo Alckmin fez um breve balanço das conquistas do governo, destacando o rigor fiscal e os investimentos de R$ 74 bilhões realizados ao longo dos quatro anos do terceiro mandato.

Alckmin inicia seu 11º ano no cargo de governador do estado de São Paulo. Ele assumiu inicialmente em março de 2001, após a morte do então governador, Mário Covas. Em 2002 ele foi eleito para permanecer mais quatro anos à frente do estado. Ele deixou o cargo em 2006, para concorrer à Presidência da República. Nas eleições de 2010, Alckmin foi eleito novamente para o cargo de governador. Em 2014, foi reeleito para ficar no Palácio dos Bandeirantes até o final de 2018.

Governador  não perdeu a oportunidade de tecer críticas indiretas ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT), avaliando o cenário de São Paulo para o País. “O Brasil precisa se livrar da máquina corrupta que insiste em sequestrá-lo”.  Apontou críticas à condução da economia por parte do governo federal.

“Todos nós conhecemos os duros prognósticos para a economia nos próximos anos. O País poderá viver dias difíceis. Mas o discurso fácil do pessimismo só é mais fácil que o discurso do otimismo irresponsável, que também já nos custou muito caro. Ou todos, incluindo governo e oposição, convergem para recuperar a economia e aprovar as reformas essenciais ou 2015 será outro ano perdido”, pontuou.

Enfatizou que  o povo de São Paulo lhe deu mais uma missão para representá-lo. “Os paulistas não veem o passado como uma fotografia estática; querem que usemos a experiência acumulada para inovar, inserir tecnologia aos serviços públicos, emancipar os que mais precisam. Os paulistas nos elegeram para que façamos a melhor gestão da história. E é isso o que buscaremos fazer, preservando princípios intransigíveis que nos trouxeram até aqui”, declarou Alckmin.

O governador também elogiou os “paulistas” pelo resultado do combate a maior seca da história do Estado, mobilização essa que não necessitou que o governo formalizasse o racionamento. “Ser paulista é enfrentar os desafios com trabalho, união e solidariedade, como estamos enfrentando a pior crise hídrica de nossa história. Aliás, a participação da população no enfrentamento da crise da água comprova que a união é a força de São Paulo.”

Alckmin lembrou que o ciclo de seis mandatos ininterruptos do PSDB, sendo quatro encabeçados por ele, se iniciou em 1995 com seu antecessor Mário Covas (morto em 2001), de quem era vice, fez balanços das ações executadas ao longo dos 20 anos de administrações tucanas e prometeu fazer a “melhor gestão da história” de São Paulo.

 

Secretariado


Um ato no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, no Morumbi, também oficializou a posse dos secretários do governo. Seguindo o protocolo, o governador empossou o secretário da Justiça, Aloísio de Toledo Cesar, que, por sua vez, deu posse aos demais titulares das pastas da administração estadual.

 

Marcos Monteiro – Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional
João Carlos de Souza Meirelles – Secretaria de Energia
David Uip – Secretaria da Saúde
Elival Ramos – Procuradoria Geral do Estado
Herman Voorwald – Secretaria da Educação
Lourival Gomes – Secretaria da Administração Penitenciária
Linamara Rizzo Battistella – Secretaria de Direitos da Pessoa com Deficiência
Marcelo Mattos Araujo – Secretaria da Cultura
Cel. PM José Roberto Rodrigues de Oliveira – Casa Militar
Duarte Nogueira – Secretaria de Logística e Transportes
Nelson Luiz Baeta Neves Filho – Secretaria da Habitação
Roberto Alves de Lucena – Secretaria de Turismo
Arnaldo Jardim – Secretaria da Agricultura
João Dado – Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho
Floriano Pesaro – Secretaria de Desenvolvimento Social
Aloísio de Toledo César – Secretaria de Justiça e Defesa de Cidadania
Clodoaldo Pelissioni – Secretaria de Transportes Metropolitanos
Edson Aparecido – Casa Civil
Renato Villela – Secretaria da Fazenda
Benedito Braga – Secretaria de Recursos Hídricos
Saulo de Castro de Abreu Filho – Secretaria de Governo
Alexandre de Moraes – Secretaria da Segurança Pública
Márcio França – Secretaria de Desenvolvimento Econômico
Patricia Faga Iglecias Lemos – Secretaria de Meio Ambiente
Jean Madeira – Esporte, Lazer e Juventude