Abelardo e Nenê discutem “preço casado” de combustível

Os vereadores Abelardo (PV) e Professor Nenê (PSB) estão trabalhando em um problema que há muito tempo gera muita polêmica: o preço do combustível praticado nos postos de gasolina em Botucatu. Eles entendem que está havendo “preço casado”, e vão levar o caso para ser amplamente discutido na Câmara Municipal.

Entre as alternativas, os legisladores estão programando uma Audiência Pública, para acontecer logo após o recesso parlamentar de julho para que o assunto seja debatido entre os proprietários dos postos de gasolina e consumidores de uma maneira geral. Eles entendem que não existe concorrência nos postos e isso está gerando dúvidas da caracterização de monopólio, já que o preço cobrado em Botucatu, além de ser semelhante, é o mais caro do que em outras cidades.

{bimg:6911:alt=interna2:bimg}

“Fomos procurados por munícipes reclamando que em Botucatu os postos de gasolina praticam preço semelhante para o combustível. A diferença de preço quando ocorre é irrisória, passando a impressão de que o preço é combinado entre os proprietários dos postos. Em outras cidades não é isso que constatamos, já que um posto procura atrair a clientela, diminuindo o lucro, além de dar opção de melhores compras em suas lojas de conveniência”, colocou Nenê.

{bimg:6910:alt=interna1:bimg}

Abelardo registra que esteve fazendo uma pesquisa nos postos de gasolina da região e constatou que a concorrência de preços não existe em Botucatu. “Não podemos afirmar que está havendo monopólio ou venda casada, mas a pesquisa que fizemos está nos levando a esta interpretação. Também não estamos afirmando que os proprietários dos postos estão combinando o preço do combustível, mas que os preços são muito semelhantes, não há como negar. Por isso queremos que essa situação seja explicada ? população”, pregou o vereador do PV.

Ele revela que em razão do preço do combustível ser o mais caro da região, muita gente se dispõe a sair de Botucatu para abastecer em outras cidades, como São Manuel. “Então alguma coisa está errada. Não estamos aqui querendo ser os donos da verdade. Mas a própria municipalidade pode comprovar o que estamos dizendo. É só comparar os preços praticados em Botucatu com os de outras cidades. Além de Botucatu ser mais caro, os preços são semelhantes. Como eu disse, é fácil de comprovar isso. Basta observar os preços que estão fixados nos postos”, sugere Abelardo.

Nenê, por sua vez, revela que as variações de preços por litro na gasolina em 12 de 15 pontos contatados é de nove centavos e a variação do álcool em 13 postos é de dois centavos. “Então, não estamos inventando nada. Os preços estão aí para quem quiser ver. Quem tiver disponibilidade ? internet pode comprovar através da Agência Nacional de Petróleo (ANP), os preços que são praticados nos postos de gasolina em todo Estado de São Paulo. Estamos cumprindo nossa missão de legislar para o bem da comunidade. Foi para isso que fomos eleitos”, concluiu Nenê.

A reportagem do{n} Acontece{/n} procurou alguns proprietários de postos de combustível da cidade, mas nenhum quis se manifestar sobre o assunto. Entretanto, alegam que não existe monopólio em Botucatu e cada posto aplica o preço que lhe é mais conveniente. Vale lembrar que o Acontece está aberto para todas as pessoas que queiram se manifestar sobre este assunto sejam proprietários de postos, sejam usuários.

Fotos: Valéria Cuter