“É O JOGO” diz Milton Monti sobre possível rivalidade com João Cury

O Deputado Federal Milton Monti (PR) conversou com o Jornal Acontece Botucatu sobre política. Após ter votado pelo “sim” do impeachment contra Dilma Rousseff, por entender que houve crime de responsabilidade, ele falou sobre seu futuro político, eleições municipais e possível disputa com João Cury.

Após discretas participações nas eleições municipais anteriores, quando apoiou João Cury para prefeito de Botucatu, Milton Monti deixa claro que sua vontade este ano é apoiar Reinaldinho. O deputado Federal indicou ao Acontece Botucatu que a pré-candidatura do vereador tem seu envolvimento direto.

“É claro que minha participação é total, pois vejo nas figuras de Reinaldinho e Lelo Pagani pessoas extremamente preparadas para assumir esse desafio. Então quando se coloca a pré-candidatura de ambos, vejo que existe uma opção para Botucatu” disse.

Para defender a candidatura Reinaldinho/Lelo, Monti citou que a cidade só conhece dois modelos de administração e que os vereadores se apresentam como uma alternativa. “Botucatu já esteve administrada por dois grupos políticos no passado, finalizando esse ano com um deles. Por isso a candidatura dele (Reinaldinho) está muito bem colocada e vejo isso como uma nova opção de gestão para Botucatu. As outras opções já foram testadas e analisadas”, citou Milton Monti.

 

Possível enfrentamento com João Cury nas urnas 

Embora o prefeito de Botucatu João Cury Neto (PSDB) não fale abertamente, sua chance de ser candidato a Deputado Federal em 2018 é considerável. Eleito para seu quinto mandato em Brasília, Milton Monto obteve 115.942 votos, sendo 21.248 somente em Botucatu. Poderia existir uma disputa por esses votos em 2018?

 “Não há nenhum problema. Lembro em eleições passadas, quando disputei, ainda para Deputado Estadual, votos com o saudoso e amigo Jamil Cury. A disputa política faz parte do jogo”, diz.

Mas na mesma resposta Milton Monti faz comparações. “Ele (João Cury) tem todo direito de pleitear uma vaga em Brasília e isso não me incomoda nenhum pouco. Ele tem direito, assim como o Reinaldinho também tem todo direito de pleitear sua candidatura a prefeito de Botucatu. É o jogo”, coloca Monti.

 

Disputa antecipada com os Cury em São Manuel

Embora as partes neguem, há uma indisposição política em São Manuel, cidade de Milton Monti, onde seu irmão Marcos Monti (PR) tentará a reeleição. Secretário Municipal de Administração em Botucatu, Ricardo Salaro Neto é pré-candidato a prefeito pelo PPS, o mesmo partido do Deputado Estadual Fernando Cury. Salaro, inclusive, preside a sigla em São Manuel.

O fato teria deixado Milton Monti irritado, pois Ricardo Salaro tem a chancela de João Cury (PSDB) e Fernando Cury (PPS). Vale lembrar que em 2014 Monti e Fernando Cury fizeram dobradinha na região em suas respectivas candidaturas a deputado federal e deputado estadual. Milton Monti também esteve ao lado de João Cury nas últimas eleições municipais em Botucatu.

Milton desconversou sobre as articulações dos possíveis adversários no futuro em sua cidade natal. Ele disse que as eleições deste ano não podem ser prévias para as de 2018.

“Veja, é uma disputa dessa eleição. Na outra, daqui há dois anos, nem sei como iremos proceder, se ele (João Cury) será mesmo candidato, se eu também serei ou se vou disputar outro cargo eletivo. Acho muito prematuro comentar isso. O que posso dizer para a população de Botucatu é que tanto Reinaldinho quanto o Lelo Pagani são pessoas da melhor qualidade, sérias, que vão zelar pelo recurso público com trabalho e dedicação, pois eu os conheço”. Colocou. 

 

Vai para o Senado?

O deputado Federal pelo PR falou que estuda uma candidatura majoritária para as eleições gerais. Haveria a necessidade de uma grande articulação nesse sentido. Ele deu a entender que objetiva uma vaga no Senado em 2018.

“O meu partido sozinho não consegue colocar uma candidatura dessa envergadura com sucesso. É preciso uma grande articulação. Se isso for possível, eu enfrento uma candidatura ao majoritária para o senado ou governo do estado. Hoje estou mais alinhado e propenso a disputar o senado. Agora, tudo ocorrerá após uma reviravolta com as eleições deste ano, depois do afastamento da presidente Dilma com o Michel Temer assumindo a presidência. Tudo isso vai mexer bastante no tabuleiro político e de forma inesperada”, concluiu o Deputado que continuará no PR.