Violência doméstica lidera casos na Delegacia da Mulher

A violência doméstica  continua sendo uma constante nos casos atendidos pelas forças de segurança com  Guarda Civil Municipal (GCM) e Polícia Militar (PM) e encaminhados à delegada titular da Delegacia de Defesa da Mulher  (DDM) Simone Firmino. Nesta semana vários casos foram registrados em diferentes pontos da cidade e estão sendo investigados.

Em entrevista dada ao Acontece a delegada revela que a causa mais comum da violência é a desestruturação do lar e o consumo de drogas, principalmente o álcool. “A violência doméstica é um problema muito sério e difícil de ser controlado, pois acontece dentro do lar, muitas vezes sem testemunhas e necessita de denúncia. Em razão disso a mulher acaba se resignando, sofre agressões constantes e não denunciam seus companheiros, muitas vezes por conveniência”, destacou.

Outro detalhe apontado pela delegada é que para o inquérito ser aberto não é necessário que própria vítima faça a denúncia. Um parente ou um vizinho que presenciar um crime de violência doméstica pode procurar a delegacia para que o caso seja investigado.

Um avanço que veio para dar maior proteção à mulher e coibir a impunidade contra a violência doméstica foi a lei 11.340, decretada pelo Congresso Nacional em 7 de agosto de 2006 e entrou em vigor no dia 22 de setembro de 2006, ficando conhecida como Lei Maria da Penha que cria mecanismos aumentando o rigor das punições das agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar.