TOR apreende quase 300 ampolas de toxina proibida

Durante uma fiscalização a um ônibus oriundo do Estado do Paraná, no km 208 da SP-280 Rodovia Presidente Castello Branco, Município de Itatinga, os policiais militares do Tático Ostensivo Rodoviário (TOR) prenderam em flagrante uma mulher por  crime contra a saúde pública que transportava toxina proibida no Brasil.

Ao fiscalizarem o coletivo, os policiais militares rodoviários do TOR perceberam uma mulher muito nervosa com a presença da Equipe e ao ser questionada sobre as características de sua viagem, desencontrou-se nas alegações.

Ao vistoriarem o bagageiro do ônibus, a bagagem da mulher foi localizada e no seu interior havia 297 ampolas da toxina de origem oriental que é irregularmente usada em tratamentos estéticos no Brasil e que não tem registro junto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

M.R.G.V, de 43 anos, foi presa em flagrante por portar medicamentos de procedência ignorada para fins estéticos adquiridos de estabelecimentos sem licença, sendo que a pena para esse crime é de 10 a 15 anos e multa. Mulher deu diversas versões, dentre elas a de que ela seria a distribuidora da toxina a várias clínicas de estética em São Paulo e região.

A distribuição de um medicamento desse tipo (que não teve a marca publicada) expõe a vida de muitas pessoas, que ficam expostas a muitos tipos de contaminação. O risco de utilização de um produto desse é muito grande e existem casos recentes e até com a morte de pessoas que, em busca de corpos e rostos perfeitos, se utilizam desse produtos sem se preocuparem com a sua origem, apenas nos resultados e nos menores preços dos tratamentos.