Sindicatos e PM acertam detalhes do protesto

Estiveram reunidos nessa quarta-feira (10), na sede da 1ª Companhia de Polícia Militar de Botucatu representantes de sindicatos da Cidade, forças de segurança e Secretaria de Mobilidade Urbana para delinear as diretrizes do manifesto popular prevista para acontecer no final da tarde dessa quinta-feira (11) em Botucatu com concentração marcada para ? s 17 horas na Praça Emílio Peduti – Bosque.

Representaram a Polícia Militar o capitão Semensati, comandante da 1ª Cia, tenente Noronha e os sindicalistas José Luis Fernandes (Construção Civil); Carlos Negrisoli (Comerciários) e Miguel Ferreira (Metalúrgicos); além do engenheiro Vicente Ferraudo (Mobilidade Urbana).

Capitão Semensati adiantou que serão designados policiais para acompanhar os manifestantes e garantir a segurança necessária, mas coibirão os excessos. “Se a manifestação for pacífica a PM só irá acompanhar sem fazer nenhum tipo de intervenção. Esperamos que tudo transcorra na mais perfeita ordem e que o protesto seja pacífico”, colocou o capitão da PM.

Os sindicatos de Botucatu se engajaram numa manifestação desenvolvida a nível nacional denominada: “Dia Nacional de Lutas com Greves e Mobilizações – em defesa da democracia e dos direitos dos trabalhadores”, com atos públicos, greves e protestos em todo o Brasil.

Objetivo é pressionar os poderes legislativo e executivo a aprovarem a pauta trabalhista, composta por oito itens nacionais e quatro itens estaduais. Representantes das centrais sindicais que articulam o manifesto nacional admitem que o clamor popular nas passeatas foi o estopim da mobilização proposta por eles.

No foco do protesto a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, fim do fator previdenciário, fim da terceirização, transporte público de qualidade, auditoria nas grandes obras públicas e diminuição dos juros. A nível local uma nova pauta foi acrescida com a finalidade de protestar contra a cobrança de pedágio de Botucatu a São Manuel e vice-versa.