Servidor teve sua casa destruída em incêndio pela companheira

O servidor Paulo Jonas de Oliveira, de 38 anos de idade, teve uma experiência nem um pouco agradável no início da madrugada dessa quarta-feira (08-09). Sua casa foi totalmente consumida por um incêndio, na Rua Maria Aparecida Metidieri dos Santos, nº 141, antiga Rua 1, região do Parque 24 de Maio. Segundo ele, o incêndio foi criminoso e teria sido cometido por sua amásia Elissandra Mariana de Oliveira, de 23 anos, com quem vivia maritalmente há seis anos.

Ele conta que por volta das 22 horas de terça-feira discutiu com sua mulher e ambos entraram em luta corporal. “Tentei me defender, mas ela estava descontrolada e passou a me morder e tentar rasgar meu pescoço com as unhas. Nunca ela tinha ficado naquele estado. Depois pegou uma garrafa e atirou na minha cabeça, abrindo um corte profundo”, lembra Oliveira.

Prosseguindo seu relato explica que ao perceber que a mulher não se acalmava e a testa começou a sangrar muito, levou seus três filhos (menores de 10 anos) do primeiro casamento para a casa de um vizinho. “Tirei meus filhos daquela situação por segurança. Então fui levado para o hospital pelo Corpo de Bombeiros e recebi oito pontos na testa, onde ela deu a garrafada”, acrescenta Santos, mostrando várias marcas de arranhões e mordidas no pescoço e nas costas.

Foi somente no seu retorno que constatou que sua casa havia sido incendiada e sua amásia não estava no local. “Percebi que a Elissandra havia sumido. Tenho certeza de que foi ela que ateou fogo na casa por vingança e levou todo dinheiro que eu tinha (R$ 500,00). Fiquei indignado ao perceber o que ela havia feito. Sorte que tirei meus filhos da casa senão não sei o que poderia ter acontecido. Perdi o único patrimônio que eu tinha”, lamentou.

Como Oliveira trabalha como servidor do Colégio La Salle o diretor da escola, Irmão João Vandelino Flach, esteve em sua casa para dar apoio. “Estamos aqui para ajudar no que for preciso. Ele é um bom funcionário e está passando por um momento muito difícil. Não vamos deixar de prestar a nossa ajuda, pois o que aconteceu foi uma fatalidade. Também não deixaremos de assistir as três crianças, vítimas de tudo isso”, salientou Flach.

Também esteve no local o presidente da Defesa Civil do Município, Domingos Chavari Neto. “Logo que soubemos do ocorrido viemos até aqui e tomamos a medidas para que ele receba a visita de uma assistente social que irá fazer uma avaliação de toda ajuda que esse cidadão precisar. Acho que num momento como este temos que dar as mãos e prestar ajuda a quem está passando por um momento difícil”, pregou Chavari.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) e Oliveira deverá se apresentar nas próximas horas para prestar depoimento ? delegada titular Simone Alves Firmino, que solicitou o exame de corpo de delito. Paralelo a isso, a delegada determinou um trabalho investigativo para tentar localizar esta mulher que está sendo acusada de ter provocado o incêndio na casa e furtado seu amásio, para que ela possa dar sua versão do caso.

Fotos e vídeo: Valéria Cuter