Sem terra procurada é presa pela Guarda Municipal

Foi na Avenida Vital Brazil, nas proximidades do cruzamento com a Avenida Floriano Peixoto, na região da Vila Aparecida que os agentes Pichinin, Trombaco e Adeilson, da Guarda Civil Municipal, efetuaram a prisão de Lidiane Paula de Souza, de 28 anos de idade, A mulher alegou ser uma “sem terra” e havia chegado, recentemente, do assentamento de Iáras.

Ela estava saindo de uma travessa acompanhada de dois homens (Josué e Mário). Os agentes suspeitaram do trio e optaram pela abordagem. Os dois homens, embora contassem com passagens policiais, não estavam sendo procurados. Passaram por uma revista pessoal antes de serem liberados.

Entretanto, Lidiane tinha mandado de prisão expedido pela 8ª Vara Criminal de Goiânia por crime de roubo. Ela cumpriu pena de um ano e oito meses e conseguiu a liberdade através de um habeas corpus. Porém, a promotoria pública recorreu da decisão e o juiz da 8ª Vara voltou a pedir sua prisão. Para não ser presa, ela fugiu e veio para o Estado de São Paulo.

“Fiquei viajando pra lá e pra cá até chegar em Iaras onde me tornei uma sem terra. Lá ninguém sabia do meu passado e ninguém se preocupa em saber o que o outro faz na sua vida. Mas resolvi vir pra Botucatu, porque eu estava na lista das pessoas que iriam ganhar terra. Como não queria mais trabalhar na roça, resolvi sair de lá. Cheguei em Botucatu ontem (terça-feira) e já fui presa hoje (quarta-feira). Queria uma passagem para voltar pra minha casa no Jardim Novo Mundo, em Goiânia, e ficar quietinha em casa lutando pela minha liberdade. Agora vou voltar pra lá presa”, lamentou a mulher.

Lidiane Souza prestou depoimento ao delegado Sérgio Castanheira, na Delegacia de Investigações Gerais, e foi recolhida ? Cadeia Pública de Itatinga. Nas próximas horas ela deverá ser reconduzida para Goiânia para ser entregue ? Justiça.

Foto: Jornal Acontece Botucatu