Seccional revela como desenvolve o trabalho policial

O delegado Seccional de Polícia de Botucatu, Antônio Soares da Costa Neto, praticamente, fez toda sua carreira em Botucatu. Entre outros cargos foi delegado do 1º Distrito Policial, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE). Também atuou como assistente da Delegacia Regional e Seccional e em 2009, com a eleição do prefeito João Cury Neto, assumiu a Delegacia Seccional, que agrega 11 municípios da região e mais de 20 delegacias.

Nesses poucos mais de quatro anos no comando da Seccional, Antônio Soares realizou um trabalho sincronizado com a Polícia Militar e Guarda Civil Municipal (GCM) e Botucatu foi considerada uma das cidades do interior paulista mais seguras para se viver. Entre outras coisas, o delegado revelou em entrevista sua trajetória de vida e seus planos futuros.

{n}Histórico{/n}

“Sou filho de ferroviário, nasci em Martinópolis, mas considero Quatá como minha Cidade natal. Tenho 56 anos de idade e ingressei na Polícia Civil como escrivão em 1977 e na carreira de delegado em 1986. Passei por Paraguaçu Paulista, Cândido Mota, Florinea, Pedrinhas Paulistas, Maracai, Palmital, Campos Novos Paulista, Assis e Botucatu, onde cheguei como delegado de 5ª classe em 1991. Fui galgando promoções e, gradativamente, passei de 5ª classe para 1º e cheguei a classe especial que me permitiu assumir a Delegacia Seccional, em 2009, passando a comandar 11 municípios da região”.

{n}Mudanças{/n}

“Como seccional promovi mudanças que visaram melhorias na operacionalidade da polícia. Tínhamos quatro distritos policiais e transformamos em duas centrais em pontos estratégicos da Cidade, concentrando recursos humanos e materiais, melhorando as condições de trabalho dos policiais e tivemos como resultado maior produtividade e melhor atendimento ? população. Mantivemos as delegacias especializadas como Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE). Todas fazem um trabalho excelente e digno dos maiores elogios”.

{n}Otimização{/n}

“Efetuamos mudanças para otimizar os serviços e prestar melhor atendimento ? população e eu procuro acompanhar, atentamente, a produtividade das delegacias. A despeito de algumas necessidades profissionais ainda por serem atendidas e que não passam despercebidas por nós que gerenciamos a instituição, centenas de crimes foram solucionados por meio da utilização de ferramentas de inteligência e por conta da competência e abnegação dos nossos policiais. O segredo desse sucesso é o respeito e o profissionalismo em prol da sociedade”.

{n}Segurança{/n}

“Em Botucatu existe o perfeito entrosamento entre as Polícias Civil e Militar e Guarda Municipal. Essa união de forças fez de Botucatu a Cidade com menor índice de roubos e homicídios entre as cidades com mais de 100 mil habitantes. E isso não aconteceu por acaso. Foi um trabalho conjunto em operações planejadas, para combater o inimigo comum que é o criminoso. Em sua edição do dia 06/03/2011, o jornal Estado de São Paulo, um dos jornais de maior circulação no Brasil, publicou uma matéria de página inteira intitulada: “Botucatu vira exemplo de Cidade que venceu o crime”. Isso é mérito dessa união de forças que existe na Cidade e vai continuar existindo”.

{n}Cadeias{/n}

“O plano do governo do Estado em desativar as cadeias foi aplicado nas cidades que fazem parte da área de comando da seccional de Botucatu. As cadeias já não atendiam as necessidades da região. Atualmente, nossos presos estão sendo remanejados, emergencialmente, para outros presídios como o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cerqueira Cesar. O que a polícia não pode fazer é parar de prender criminosos. Nossa região deverá ter o seu CDP, que está sendo construído em Itatinga com capacidade para pouco mais de 700 presos que deverá suprir nossa demanda carcerária”.

{n}Reformas{/n}

“Para o antigo complexo da cadeia de Botucatu no Bairro Alto, nossa proposta é que seja totalmente reformado e possa abrigar duas delegacias especializadas: DISE e DIG, hoje instaladas em dois extremos da cidade em prédios alugados. Atrás do prédio da cadeia desativada existe um espaço onde já está acertada a construção do Instituto Médico Legal (IML) e Instituto de Criminalística (IC). Então, num mesmo local poderíamos ter a DISE, DIG, IML, IC, que se agregariam ao Plantão Permanente, Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) e sede da Delegacia Seccional”.

{n}Projetos{/n}

“Não penso em sair de Botucatu, mas na nossa profissão mudanças podem acontecer e não posso descartar a possibilidade de, futuramente, assumir outro posto, caso seja solicitado pela secretaria de Segurança Pública de São Paulo, mas não vou mudar minha maneira de trabalhar e minha opinião sobre criminosos. Não importa a que classe social pertença, mas a pessoa que comete um crime deve pagar por ele. Aos olhos da Justiça todo mundo é igual. Outros projetos já foram iniciados e esperamos realizá-los, plenamente, nos próximos meses, para que assim colaboremos para a melhoria das condições de trabalho em nossa Polícia Civil e servir a sociedade da nossa região”.