Rodoviária apreende mais de 513 mil maços de cigarros

Uma operação realizada pela Polícia Militar Rodoviária de Botucatu, em conjunto com a Polícia Federal de Bauru, no km 242,400 metros da SP-300 Rodovia Marechal Rondon, culminou com a apreensão de 1.027 caixas de cigarros ou 513.400 maços, provavelmente, contrabandeados do Paraguai.

A operação teve início quando a Base Rodoviária de Botucatu foi acionada para comparecer no referido km pela Concessionária Rodovias do Tietê, que informou que uma carreta havia se acidentado. Entretanto, ao chegarem ao local, os policiais constaram que não se tratava de acidente de trânsito, mas sim de um veículo abandonado sobre a faixa de rolamento, após possível tentativa de retorno em local inadequado, não sendo localizado o condutor.

O veículo em questão era um Volvo, modelo FH 12, cor branca, placas ILW-1807, Curitiba/PR, tracionando o semi-reboque marca SR, modelo Noma, cor branca, placas ALG-5942, Foz do Iguaçú/PR. Na busca veicular, foi descoberta grande quantidade de cigarros, sem notas fiscais.

Diante do fato, o veículo, juntamente com a carga ilícita foi removido ? Delegacia de Polícia Federal de Bauru, onde o delegado Gustavo Pachioni Martins elaborou o IPL 259/11, apreendendo o veículo e mercadoria (1.027 caixas de cigarros – total de 513.400 maços de cigarros de marcas EIT, Continental e Palermo), encaminhados para o deposito da Receita Federal.

{n}Outra operação{/n}

Vale lembrar que a Polícia Federal de Bauru, também sob o comando do delegado Gustavo Martins já havia apreendido em Botucatu, no mês passado, cerca de 450 mil maços de cigarros contrabandeados, diversos veículos, medicamentos de uso proibido, equipamentos eletrônicos, dinheiro, rádios comunicadores e uma arma de fogo com registro irregular, numa operação denominada “Mundo Virtual”.

Depois de cinco meses de investigação, foi presa uma quadrilha que comercializava produtos eletrônicos de origem estrangeira pela Internet, formada por quatro homens e duas mulheres, todos de Botucatu, que foram detidos e conduzidos ? sede da PF em Bauru.

Na ocasião da prisão, a polícia, revelou que além do contrabando e venda de produtos eletrônicos pela rede mundial de computadores – sobretudo de informática – o mesmo grupo é acusado de importar e distribuir cigarros estrangeiros de forma irregular. As empresas responsáveis pela venda, legalmente constituídas, não tiveram os nomes divulgados.

Fotos: Divulgação