Réu é absolvido de crime de tentativa de homicídio

Absolvido! Foi essa a decisão do Júri Popular composto por quatro mulheres e três homens sobre o julgamento do réu Herbert Martinelli Stamponi, 32, realizado nesta quinta-feira no auditório da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil – Subsecção de Botucatu. Ele foi denunciado como autor de uma tentativa de homicídio cometido contra Paulo Ricardo Nunes Correa, conhecido como “Cebola”, na ocasião, com 22 anos. O réu tinha 24 anos. O crime aconteceu no dia 11 de maio de 2002.

Segundo consta nos autos, os dois haviam se desentendido na Praça São José, região central da cidade, onde Stamponi teria agredido o réu com uma chave mixa (chave falsa usada para abrir portas de carros), perfurando seu pescoço e tórax. A vítima foi socorrida por populares e o acusado teria fugido de bicicleta.

O júri foi presidido pelo juiz Edson Lopes Filho, tendo na acusação o promotor de Justiça Marcos José de Freitas Corvino. Na defesa do acusado esteve atuando o advogado criminalista Milton Nogueira Ribeiro Júnior. O próprio promotor, após interrogar as testemunhas, pediu a absolvição do réu, alegando falta de provas, reafirmada pela tese do defensor e acatada pelos jurados.

O curioso é que a tentativa de homicídio aconteceu no dia 11 de maio de 2002 e meses depois, ou seja, no dia 7 de outubro de 2002, Paulo Correa “Cebola” foi assassinado a tiros na Rua Fausto Lyra Brandão, altura do número 251, no Bairro Tanquinho, em um antigo campo de terra. A autoria do homicídio também foi creditada a Stamponi, que foi julgado pelo assassinato no dia 14 de outubro do ano passado e acabou absolvido. Na ocasião foi defendido pelo advogado Sebastião de Figueiredo Torres.

Embora tenha sido absolvido tanto da tentativa como do homicídio praticado contra “Cebola”, Herbert Stamponi vai permanecer recolhido na Penitenciária de Franco da Rocha por acusação de outros crimes. Não fosse isso teria saído em liberdade. Ele se recusou ser fotografado.