Réu condenado por homicídio vai responder em liberdade

Foto: David Devidé

Cinco mulheres e dois homens da sociedade botucatuense formaram o Conselho de Sentença para o julgamento realizado nesta quinta-feira (4) no Tribunal de Júri do Fórum de Botucatu, tendo como réu Jorge José de Almeida que nos autos do processo foi acusado de crime de homicídio duplamente qualificado cometido contra Jeremias José de Oliveira.

Consta que Jorge Almeida, por se sentir traído por Jeremias que teria um caso amoroso com sua mulher, contratou um rapaz de nome Elvis para matar o desafeto, sendo a intermediação feita por outro envolvido de nome Agnaldo. O crime foi consumado na noite do dia 12 de abril de 2001, em um bar localizado na Rua Mirabeau Camargo Pacheco, região da Vila Jardim.

Na ocasião, segundo a denúncia, Elvis abordou Jeremias Oliveira e disparou um tiro ? queima-roupa contra seu peito levando-o ao óbito. Por esse crime Elvis foi preso, julgado e condenado a 12 anos de reclusão, mas teve a pena reduzida para oito anos por ter problemas psiquiátricos.

O advogado criminalista Roberto Fernando Bicudo, em sua explanação em plenário pediu aos jurados que fossem descartadas as duas qualificadoras, o que foi acatado. Sendo assim, Jorge Almeida foi condenado por homicídio simples a seis anos de reclusão. Como está há dois anos preso ganhou o direito de cumprir o restante da pena em liberdade.

Os trabalhos em plenário foram coordenados pelo juiz presidente do Tribunal de Júri de Botucatu, Marcus Vinicius Bachiega. Como representante do Ministério Público, atuou em plenário o promotor de Justiça Marcos José de Freitas Corvino.