Redes e pescado são apreendidos em ação da Ambiental

Foram os policiais do 2º Pelotão de Policia Militar Ambiental de Botucatu, Viotto e Andrade que em patrulhamento embarcado pelo rio Tietê, no município de Anhembi, visando coibir a prática de pesca predatória, efetuaram vistoria ? s margens do rio nas proximidades do bairro conhecido como Ilha, ponto considerado crítico em pesca predatória.

A equipe localizou um local adaptado para filetagem (prática de extrair o filé de carne de peixes), que estava úmido e com bastante escama, indícios que havia sido utilizado há poucas horas. Em buscas pelo local e adjacências, os policiais encontraram escondida na mata uma caixa contendo em seu interior 40 kg de filés de tilápias, 13 facas para filetagem, 02 redes de arrasto e 80 redes de nylon que somadas perfaziam um total de 3.400 metros de extensão.

Os materiais que estavam molhados com indícios de recém utilizados, foram recolhidos para destruição e os peixes destinados ao aterro sanitário do município de Botucatu, por não haver condições de higiene para consumo humano.

{n}Piracema{/n}

Vale lembrar que mais este flagrante da Polícia Ambiental aconteceu na época da Piracema, que é o período de desova dos peixes. As normas das restrições de pesca se iniciaram em novembro de 2011 e s encerram dia 28 de fevereiro de 2012.

Nesta estação os peixes se tornam presas fáceis de pescadores ao nadar contra a correnteza em uma subida árdua até as cabeceiras dos rios, para se reproduzirem. A pesca neste período pode se caracterizar em crime e o infrator poderá ser preso em flagrante e pagar multa, cujo valor varia de acordo com a gravidade da infração.

O soldado Sérgio Viotto, destaca que é necessário que o pescador conheça seus direitos e deveres quando for praticar a pesca. Destaca que durante a piracema, fica proibida qualquer atividade de pesca profissional, inclusive, o uso de redes, tarrafas, covos e outras armadilhas. Os pescadores amadores somente poderão pescar usando vara simples, com molinete ou carretilha. Além disso, prossegue Viotto, é necessário limitar a quantidade de peixes embarcados, assim como obedecer, rigorosamente, o tamanho mínimo de captura.

“As restrições na pesca durante o período da piracema tem como objetivo garantir que os peixes nativos da região possam procriar em seu período de reprodução. O período da piracema é fundamental para a reposição das espécies que vivem nos rios, barragens e represas do Estado e a polícia está atenta para fazer com que as normas sejam cumpridas”, afirma Viotto, lembrando que o telefone da Polícia Ambiental é (14) 3882-6070.