Reconstituído caso de rapaz morto em confronto com PM

Fotos: Valéria Cuter

Na tarde desta quinta-feira, 1º de agosto, a Polícia Civil de Botucatu fez a reconstituição da morte de um cidadão chamado Rogério Bernardo Nunes, de 29 anos, que no dia 10 de julho deste ano, foi morto em confronto com a Polícia Militar numa casa na Rua Pedro Carmelin Neto nº 1180 (antiga Rua 07), no Parque 24 de Maio.

Nunes estava com a prisão decretada e procurado por ter assassinado um dia antes Evandro Barreto dos Santos, de 27 anos, seu cunhado, em uma plantação de eucalipto, no cruzamento das ruas José Baptista e Expedicionário Orlando Pezavento, no Jardim Botucatu, Distrito de Rubião Júnior. O motivo do crime foi em razão de Evandro Santos agredir com frequencia a irmã de Rogério Nunes, chamada Sueli e tê-la expulsado de casa.

O corpo de Santos foi encontrado na manhã do dia 9 de julho semi-degolado e com quatro perfurações de faca no abdome, duas na perna direita e uma no tórax. Outras várias perfurações foram identificadas no rosto da vítima. Também foi encontrado nas proximidades do corpo varas de eucalipto manchadas de sangue, que foram usadas para bater contra a cabeça da vítima e uma faca comum de mesa de cozinha (serra).

Na reconstituição os policiais militares sargentos Laudo e Domingos, cabo Paulino e soldado Raul relataram o caso passo a passo desde que receberam a informação de que Rogério Nunes estaria refugiado naquela casa. Com autorização do proprietário (tio do procurado), os policiais adentraram na residência para uma revista.

Quando o sargento Domingos afastou a cortina para verificar o interior do quarto, Nunes com um revólver calibre 38 (numeração adulterada) em punho disparou dois tiros e um deles acertou o abdome do lado esquerdo do policial que, mesmo ferido, revidou os disparos atingindo o agressor no peito, causando-lhe ferimentos que o levaram ? morte.

Na ocasião foi revelado que Rogério Nunes era bastante conhecido nos meios policiais pela prática de diversos crimes, envolvido com o uso e tráfico de drogas e tido como um cidadão violento. Morava em Rubião Júnior, mas vinha com freqüência ao Parque 24 de Maio. Um dos crimes cometidos por Nunes e que deu grande repercussão na Cidade foi o assassinato cometido contra uma funcionária da Pizzaria Trivial, cerca de 10 anos atrás, durante um assalto quando ainda era um adolescente.