Rapaz que esfaqueou padrasto é preso em operação

Fotos: Valéria Cuter

Na manhã desta terça-feira (23) um trabalho conjunto entre a Polícia Militar (PM), Polícia Civil e Guarda Civil Municipal (GCM), resultou na prisão de um rapaz de 21 anos de idade chamado Cláudio Lopes Fortunato Júnior, acusado por uma tentativa de homicídio cometido contra seu padrasto Rosivaldo Olímpio, de 42 anos. O crime aconteceu na sexta-feira da semana passada depois de uma discussão numa padaria instalada na Rua General Telles, região central da Cidade, onde os dois trabalhavam.

Após uma discussão entre ambos, Fortunato Júnior, armado com uma faca partiu para cima do seu padrasto e lhe desferiu três golpes (dois no peito e um nas costas). A vítima foi socorrida junto ao Pronto Socorro (PS) da Unesp, onde permaneceu internado. O acusado fugiu após o crime e, desde então, estava com sua prisão temporária decretada.

Fortunato Júnior foi preso em sua casa na Rua Antônio Amando de Barros, região da Vila Jardim. Com mandado de busca e apreensão os policiais deslocaram-se até a casa do indiciado e foram atendidos pela mulher, que aparentou muito nervosismo. Os policiais entraram na casa e após uma busca interna localizaram o indiciado escondido dentro de um guarda-roupa.

À reportagem revelou que o entrevero foi em razão de um carro que havia comprado, mas estava em nome do padrasto. “Foi uma bobeira e eu queria usar o carro, mas ele não permitiu porque estava em nome dele e se algo acontecesse, ele é quem seria responsabilizado pela Justiça. Por causa disso nos desentendemos e acabou acontecendo tudo isso. Foi ruim para toda família”, lamentou Fortunato Júnior que é pai de três filhos.

Garante que nunca havia se desentendido com o padrasto antes desse fato. “A gente se dava bem e se respeitava. Nunca discutimos, tanto que comprei o carro em nome dele. E foi por causa desse carro que tudo isso veio a acontecer. Estou muito triste, porque não sou bandido e tenho filhos para cuidar. Antes desse fato, nunca tive nenhum problema com a polícia”, lamentou. “Agora vamos ver no que vai dar isso”, concluiu.