Rapaz preso diz que entrou no tráfico por falta de emprego

“Não tive saída e, por isso, acabei entrando para o tráfico. Sem estudo e sem qualificação, nem emprego de ajudante geral, eu consegui. Quando a polícia chegou de surpresa em casa não tive o que fazer”. Foi o que disse um cidadão de nome Claudinei Maximiliano, de 32 anos de idade, preso na manhã desta sexta-feira (4), por volta das 7h30, e enquadrado em crime de tráfico de entorpecentes.

A operação que terminou na prisão em flagrante foi feita pelos policiais militares Doriguel e Delecrode, que estiveram na casa do acusado, na Rua 13, no Jardim Botucatu, Distrito de Rubião Júnior, após receberem denúncia por intermédio do Centro Operacional da Polícia Militar (COPOM) revelando que Maximiliano estaria traficando durante a madrugada.

No local, os PMS flagraram o indiciado ocultando um objeto no telhado da casa feito de Eternit. Era um maço de cigarros contendo 22 pedras de crack e R$ 60,00 em dinheiro. Ao receber voz de prisão, Maximiliano não reagiu, nem dificultou o trabalho dos policiais. Na delegacia teve assistência da advogada Silvana Pradela Carli.

“Ele permitiu nossa entrada na sua residência e não ofereceu resistência no momento da prisão”, lembra o soldado Delecrode. “O averiguado reconheceu que estava praticando o ato ilícito (tráfico) e confirmamos que a denúncia feita por populares ao telefone 190 procedia e ajudou a polícia a tirar mais um criminoso da rua”, complementou Doriguel.

Maximiliano que já cumpriu pena de 6 anos e 4 meses, por crimes de roubo ? mão armada e furto, foi encaminhado ? Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE) prestou depoimento ao delegado Carlos Antônio Improta Julião, que confeccionou o Boletim de Ocorrência (BO) e determinou o recolhimento do indiciado ? Cadeia Pública local.

Fotos: Jornal Acontece Botucatu