Quadrilha armada estoura caixas eletrônicos em Anhembi

Fotos: Valéria Cuter

O que aconteceu em Anhembi, na madrugada desta quinta-feira (26), por volta das 3 horas, gerou momentos de tensão entre os moradores da Cidade que conta com, aproximadamente, 6 mil habitantes.

Uma quadrilha, fortemente, armada com espingardas calibre 12 e fuzis com mira a laser, explodiram três caixas eletrônicos das duas agências bancárias da Cidade (Banco do Brasil e Santander). Os marginais entraram na cidade em três carros, provavelmente, roubados (Fox vermelho, Pálio preto e um Gol prata). Ao entrarem na Cidade, os homens da quadrilha se separaram e formaram dois grupos para cometer o crime de maneira simultânea.

Usando explosivos de alto poder de destruição eles estouraram os caixas e levaram certa quantidade em dinheiro (não revelada) e fugiram pela SP-191 Rodovia Geraldo Pereira de Barros, sentido Piracicaba. Durante a fuga eles dispararam vários tiros para o ar contra uma guarita de vigilância de um porto de areia na ponte do Rio Tietê.

Após o crime um grande aparato policial foi montado na região, para tentar localizar algum indício dos marginais, entretanto, eles não foram identificados. “Pelas características, esse crime foi cometido por uma quadrilha especializada com armamento pesado e a ação foi bastante rápida”, comentou o policial Rafael Castilho, um dos responsáveis pela segurança daquela Cidade. “Embora eles tenham conseguido levar dinheiro, ninguém ficou ferido”, acrescentou o PM.

No local onde os crimes foram cometidos, a Polícia Militar localizou várias notas intactas e outras dilaceradas de diferentes valores no valor de R$ 80 mil. Foram apreendidas duas alavancas e munição deflagrada de armas de calibre 12 e fuzis calibre 556 (mesmo calibre do AR-15). Também a Polícia Técnica Científica esteve no local coletando dados para elaborar o laudo pericial, assim como a Polícia Civil que já iniciou o trabalho investigativo.

{n}Quadrilha especializada{/n}

Crime semelhante foi registrado na madrugada do último dia 21 quando uma quadrilha também usando armamento pesado explodiu quatro caixas eletrônicos em duas agências bancárias na Cidade de Santa Maria da Serra (Santander e Banco do Brasil), que tem, aproximadamente, 6 mil habitantes.

O delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Botucatu, Celso Olindo, não descarta possibilidade de que o crime tenha sido cometido pela mesma quadrilha. “Numa investigação não podemos descartar nenhuma hipótese. A maneira de agir foi semelhante e o trabalho investigativo está sendo realizado”, destacou Olindo.