Presos são flagrados cavando túnel para fugir da cadeia

O fato não é inédito, mas sempre que acontece ganha repercussão. Nesta quinta-feira (22) os 12 presos do Xadrez-6, usando “ferramentas” feitas com ferro de construção, tentavam cavar um túnel, para uma eventual fuga. O buraco no concreto já estava com, aproximadamente, 40 centímetros de diâmetro e 20 de profundidade. O “trabalho” foi descoberto pelos policiais da carceragem e os presos foram remanejados para outras celas, para que os reparos sejam feitos.

Após serem descobertos e retirados da cela, os detentos negociaram com o “faxina” (preso que circula por todas as celas, entrega alimentos e faz a limpeza do pátio) para que entregassem as “ferramentas” que estavam usando para cavar o túnel. Os presos se comportaram de maneira pacífica e na transferência não houve tumulto.

A cadeia de Botucatu conta (até as 16 horas desta quinta-feira) com 119 presos divididos em dez celas, média de 12 presos por cela, mas chegou a ter 244. No ano os passado por determinação da então juíza corregedora Adriana Toyano Fanton Furukawa (que se transferiu para Sorocaba) a cadeia sofreu uma interdição parcial e não pode abrigar mais do que 120 presos. Outro problema da cadeia local é que 90% dos presos são oriundos de outras cidades. Dos atuais 119 presos, apenas quatro são de Botucatu.

Para o delegado seccional de polícia, Antônio Soares da Costa Neto, essa situação entre os presos e a carceragem acontece com muita freqüência no País. “O preso vai sempre procurar sua liberdade, principalmente no final de ano e fica ocioso 24 dias por dia arquitetando uma alternativa para fugir. Por isso temos que estar sempre atentos para impedir que a fuga ocorra”, explicou o seccional.

Não está descartada a possibilidade da Polícia Civil com a Tropa de Choque da Polícia Militar e Guarda Civil Municipal (GCM) realizar uma “Operação Pente Fino” na cadeia, nas próximas horas. Com isso os presos deverão ser retirados de suas respectivas celas para que seja feita uma revista geral. O objetivo é apreender estiletes, telefones celulares e outros objetos Ilícitos.

Fotos: Quico Cuter