Preso na Rodoviária é enquadrado em crime de tráfico

O desempregado Marcos Rodrigues Pinto, de 25 anos de idade, foi preso em flagrante na tarde desta quinta-feira por volta das 13h30m numa operação realizada pela Guarda Civil Municipal (GCM) através dos agentes Adeilson, Pichinin e Júlio, do Grupo de Ações Preventivas Especiais (GAPE), contando com o apoio dos investigadores da Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

Os guardas estavam em patrulhamento pelas imediações do Terminal Rodoviário, na Rua Tiradentes, quando perceberam que Marcos Pinto chegou como passageiro de um mototaxista e ao perceber a viatura mudou seu comportamento. Os agentes desconfiaram e na abordagem encontraram em suas vestes a quantia de R$ 2.000,00 e um telefone celular.

Suspeitando que o dinheiro pudesse ser produto de roubo, o indiciado foi conduzido ? DIG onde acabou revelando que na sua casa havia certa quantidade de drogas e uma balança de precisão. Investigadores e guardas municipais se deslocaram até a casa onde ele mora, na Avenida Júlio Vaz de Carvalho, na Vila Paulista e localizaram enterradas no quintal uma balança de precisão e 10 pedras de crack.

“Desde que nos o abordamos não acreditamos na versão que contou sobre a origem do dinheiro. Na DIG confessou que estava traficando e que iria tomar o ônibus para Bauru, em busca de mais droga, pois a que tinha estava no fim. Tudo que ele falou na delegacia foi confirmado posteriormente, com os produtos encontrados no quintal da casa onde reside com a mãe”, conta o agente Adeilson. “Se a gente não tivesse feito a abordagem, esse cidadão poderia conseguir seu objetivo que era buscar droga em Bauru para vender em Botucatu.

Mesmo depois de ter confessado o crime na delegacia e apontado o local onde a droga estava enterrada, Marcos Pinto declarou que o crack era para seu uso próprio, mas estava escondido para sua mãe não saber que ele era viciado. “A droga era minha e metade do dinheiro ia levar para minha ex-mulher em Bauru para pagar a pensão de minha filha de 5 anos de idade. A outra metade ia depositar no banco”, contou.

Depois de prestar depoimento ao delegado Celso Olindo, sendo assistido por dois advogados, Marcos Pinto foi enquadrado em crime de tráfico de entorpecentes, que é inafiançável e recolhido ? Cadeia Pública local. Se for condenado pode pegar uma pena que varia de 05 a 15 anos de reclusão.

Fotos: Jornal Acontece Botucatu