Preso cidadão que incendiou viaturas da Polícia Civil

Foi na Rua Carlos Bauer Filho, região da Cohab IV, onde o cabo Nepomuceno e soldados Alberto e Gonzaga efetuaram a prisão de Jairo Luiz de Campos, conhecido como Jairinho, que estava sendo procurado pela Justiça por infração ao artigo 250 do Código Penal Brasileiro (causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem).

Esse cidadão foi condenado a quatro anos e oito meses de reclusão e mais 14 dias-multa, pena imposta pelo juiz titular da 1ª Vara de Botucatu, Josias Martins de Almeida Júnior por crime de danos ao patrimônio público. O crime aconteceu no início da madrugada do dia 15 de maio de 2006 e, desde então, tramita na Justiça.

Jairinho Campos foi denunciado pela promotora de Justiça Mary Ann Gomes, como um dos autores de um incêndio contra duas viaturas da Polícia Civil que estavam estacionadas na garagem do 3º Distrito Policial (DP), que funcionava na Rua José Maurício de Oliveira, nº 301, região da Cohab I.

Acompanhado de outros dois comparsas, que ainda não foram julgados, ateou fogo nas viaturas policiais VW Parati, ano 1988, placas BPY-5892 e um GM Kadet, ano 1997, placas BPY-5954. “O incêndio expôs a perigo a vida, a integridade física e o patrimônio alheio, público e particular”, diz a denúncia.

Os três indiciados mediante escalada transpuseram o muro do imóvel que guarnecia o 3º DP e atearam fogo nas duas viaturas, mediante a utilização de gasolina. O fogo alastrou-se e estourou os vidros da biblioteca instalada no interior daquela delegacia, além de expor em perigo residências situadas nas imediações.

Na ocasião dos fatos, a autoridade civil responsável por aquele DP era o delegado Carlos Antônio Improta Julião Filho que hoje responde pela titularidade da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE). Depois de analisar o processo e a gravidade do crime cometido, o juiz titular da 1ª Vara entendeu que o caso era de condenação e aplicou a pena prevista em lei.

Os policiais militares encaminharam Jairinho ao Plantão Permanente para que o delegado Marcelino Aparecido Ferreira elaborasse o Boletim de Ocorrência (BO) e determinasse o recolhimento do condenado ? Cadeia Pública local.