Prédio desaba em corredor comercial de Botucatu

Fotos: Luiz Fernando

Milagre! Essa é a palavra que pode ser usada para a ocorrência registrada na manhã desta terça-feira (24), com o desabamento da parte frontal de um prédio de dois andares localizado na Rua Major Matheus, esquina com a Cruz Pereira, na Vila dos Lavradores. Neste prédio que estava em reforma funcionou por muitos anos um “bingão” e era um dos mais antigos daquela região da Cidade. Embora o visual indicasse uma tragédia, não houve feridos.

Nesse local o fluxo de pessoas é bastante acentuado e em frente ao prédio havia um ponto de ônibus e uma loja ao lado registrou o exato momento em que o prédio começou a desabar e filmou uma mulher e uma criança que estavam próximos ao ponto de ônibus que tiveram tempo de sair correndo e se livrar da morte certa. Também não havia ninguém no interior do prédio.

De acordo com o que foi apurado, na parte superior do prédio iria funcionar uma academia de ginástica e no piso inferior uma farmácia. A Polícia Técnica Científica esteve no local para fazer um levantamento das condições em que o prédio se encontrava, para detectar o que teria causado o desabamento.

Com a suspeita de que poderia haver pessoas feridas, o Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) montou um grande aparato para prestar atendimento médico a possíveis vítimas. E os destroços foram recolhidos por máquinas retro-escavadeiras e como as paredes laterais e o teto correm risco de desabar a qualquer momento, a área foi isolada para que sejam derrubadas.

Em frente ao prédio que desabou funciona a loja Beto Jóias, de propriedade de Belarmino da Silva, que viu o momento em que o prédio veio abaixo. “Ouvi um estrondo e quando olhei vi o prédio vindo em direção da calçada. Depois o pó cobriu toda a rua. No momento não percebi se tinha alguém no ponto de ônibus, mas temi pelo pior, pois é bastante movimentado”, disse.

Quem também escapou por pouco de ser atingido foi o cabo Christófalo que estava em um carro com sua mulher, a capitão Kátia e os filhos, muito próximos ao acidente. “No momento em que passei pelo local ouvi o barulho. Olhei para trás e vi o prédio desabado em meio a uma grande nuvem de pó. descemos e fomos até o local para ver se havia feridos e prestar ajuda. Minutos depois chegaram as viaturas da PM, Corpo de Bombeiros e Samu”, lembra o PM.

{bimg:45808:alt=interna:bimg}