Polícia Militar realiza mega operação na Cidade

Das 17 horas de sábado até ? s 4 horas da manhã deste domingo. Foi nesse período em que a Polícia Militar de Botucatu realizou a mega operação denominada “Saturação” que movimentou a cidade, em razão do volume de viaturas, motocicletas e policiais envolvidos. Os PMs se concentraram na sede do 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), por volta das 16 horas, receberam instrução e de lá saíram em comboio passando por diversas ruas da cidade até ser determinado o início da operação.

{bimg:19908:alt=interna1:bimg}

Segundo o major Marcelo Oliveira, coordenador operacional do 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), a operação foi realizada tanto nas regiões mais centralizadas da cidade como nos bairros mais asfaltados com a Força Tática, ROCAM (Rondas Ostensivas Com Auxílio de Motocicleta) e canil com um cão farejador de droga.

“E uma operação ostensiva/preventiva que visa coibir a criminalidade, com operações bloqueio, fazendo a vistoria na documentação de carros e motos, assim como fazer apreensões de armas e droga, além de tirar elementos procurados da Justiça de circulação. É (a operação) onde usamos o contingente operacional e administrativo”, colocou o Major Marcelo, adiantando que os números alcançados nessa operação foram satisfatórios e que outras operações deverão ser programadas.

Para o tenente Camargo, que foi o responsável pelo bloqueio em quatro diferentes pontos da cidade, a operação foi elaborada após um estudo estratégico da criminalidade. “Em quatro horários diferentes e alternados fizemos operação bloqueio na Praça do Bosque (17 horas); na Avenida Pedretti Neto, nas proximidades do Cemitério Portal das Cruzes (19h30); na Praça da Catedral (22 horas) e na Avenida Vital Brasil (00h30). Além disso, equipes da Força Tática e ROCAM, fizeram patrulhamento nos bairros considerados problemáticos com incidência maior de ocorrências”, revela Camargo.

Embora muitas pessoas tivessem sido abordadas, de uma maneira geral a operação policial ostensiva/preventiva foi bem aceita. “Vendo a polícia trabalhar sinto a sensação de segurança. Fui parado, mostrei os documentos e não tive problema algum. A gente fica um pouco constrangido com a revista, mas temos que entender que esse trabalho é importante para inibir a criminalidade e nos dar mais segurança”, comentou o industriário Moisés Rodrigues de Lima, de 44 anos.

Para o entregador e moto-taxista Luiz Carlos Ferreira da Silva, de 25 anos, que foi parado para uma vistoria em sua motocicleta, a presença da polícia é necessária. “Não posso dizer que seja todo mundo, mas tem moto circulando por aí sem nenhuma condição. Faço entregas, transporto passageiro e procuro fazer tudo que está dentro do permitido. Infelizmente por causa de alguns “loucos” muitos acidentes com motos acontecem na cidade. Esse trabalho da polícia mostra quem tem condições de trafegar com moto e quem não tem. Por isso é importante”, disse Luiz Lima.

Fotos: Macaru