Polícia investiga clonagem em cartões eletrônicos

Ao que parece, marginais usando um aparelho denominado chupa-cabra, fizeram mais uma vítima em Botucatu. Esse dispositivo é, habilmente, adaptado em caixas eletrônicos e com ele os marginais têm a possibilidade de clonar cartões de correntistas.

A vítima foi uma mulher de nome Patrícia Angélica. Ela revelou a polícia de que foi tirada de sua conta bancária, em dois saques, a quantia de R$2.652,87, do Banco Banespa (Santander), na Vila dos Lavradores. O Boletim de Ocorrência foi registrado no Plantão Permanente.

Em depoimento ? autoridade policial civil, a mulher revelou que seu cartão poderia ter sido clonado, já que somente ela movimenta essa conta. Outro dado, este não confirmado oficialmente, é que ela poderá entrar com uma ação contra o banco para ser ressarcida.

Neste final de semana, um chupa-cabra foi localizado neste banco pelo vigilante, que acionou a polícia e o caso foi encaminhado ? Delegacia de Investigações Gerais (DIG), que, juntamente com os policiais do 2º Distrito Policial, está trabalhando para identificar quem teria colocado o dispositivo.

De acordo com o delegado titular do 2º DP, Marcos Mores (foto), a polícia já tem pistas para identificar quem teria instalado o dispositivo. “No aparelho havia um celular adaptado e este celular tocou. Agora nosso trabalho é identificar a ligação. Não descartamos a possibilidade de que uma quadrilha especializada esteja agindo na cidade”, comentou o delegado.

Outro dado passado pelo delegado é que o vigia que encontrou o chupa-cabra, entrou na agência e ao vistoriar os caixas eletrônicos, percebeu que apenas um deles estava funcionando. “Ele desconfiou e localizou o dispositivo, acionando a polícia”, observou Mores.

Sempre é bom lembrar que o chupa-cabra é um aparelho leitor de cartões feito, artesanalmente, dotado memória interna, capaz de armazenar os dados da conta corrente de todos os cartões que são passados nele. Normalmente, são adaptados ? s entradas tradicionais de cartões nos caixas eletrônicos, para que possam clonar os dados do cartão quando um cliente usa a máquina. Eventualmente, são colocados dentro do terminal e ligados na entrada do leitor verdadeiro por fios.

No caso específico de Botucatu a polícia não descarta a possibilidade de que outros cartões tenham sidos clonados. Por isso a orientação é que, se o correntista perceber qualquer anormalidade em sua conta bancária, como falta de dinheiro na conta, deve, imediatamente, comunicar a gerência do banco para as medidas sejam tomadas.

{n}Saiba como evitar que seu cartão seja clonado{/n}

Mais uma vez o Acontece repete as dicas para que a pessoa se previna contra o uso do chupa-cabra. A primeira providência é sempre estar atento ao seu cartão. Nunca deixe que alguém leve seu cartão para autenticá-lo longe de você, e acompanhe com atenção todo o processo de autenticação ao fazer suas compras.

Já quando o chupa-cabras é instalado, é mais difícil detectar quando você está sendo vítima de clonagem. No entanto, é possível tomar também algumas precauções:

* Observe atentamente os caixas-eletrônicos, se todos estiverem desligados ou em manutenção e apenas um operando normalmente, desconfie. Veja também se o layout de todos os aparelhos é igual e se todas as peças estão devidamente conectadas.

* Desconfie se o equipamento do banco usar uma ordem diferente da normalmente solicitada pelo seu banco para realizar as operações.

* Jamais aceite ajuda de estranhos para realizar as transações no caixa, peça sempre ajuda de um funcionário devidamente uniformizado ou identificado.

* Antes de contratar os serviços de um determinado banco, pergunte ao seu gerente de que forma o banco procura minimizar a possibilidade de ocorrência de fraudes.

* Quando for comprar com o cartão, nunca deixe o funcionário de o estabelecimento levá-lo, sempre o acompanhe e fique atento a movimentos estranhos que ele possa fazer.

* Preste atenção ao visor da máquina e tenha a certeza de que o valor de compra foi digitado antes de colocar sua senha.

*Desconfie se alguma das etapas de verificação do cartão não é pedida.

Foto: Fernando Ribeiro