Polícia esclarece caso de bebê encontrado em lixeira

Uma verdadeira reviravolta no caso de uma criança recém-nascida encontrada em uma lixeira por uma moradora de nome Jocilene Veloso Schott, de 33 anos de idade, no início da madrugada desta quarta-feira (27), por volta das 01h15, na Rua Edgar de Alencar Saboya, nº 484, região do Parque Marajoara. A criança do sexo masculino tinha pouco mais de 2,8kg e ainda estava com o cordão umbilical.

Jocilene alegou que estava retornando para sua casa quando percebeu que na lixeira de sua casa havia um lençol branco e embaixo dele algo estava se movendo. A mulher aproximou-se e constatou que se tratava de uma criança recém-nascida, dentro de um saco plástico. Teria recolhido a criança e acionado a Polícia Militar, que esteve no local com os soldados Roma e Alex, que conduziram a criança ao Pronto Socorro (PS) da Unesp.

Depois de um trabalho investigativo realizado em parceria pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) com o delegado Celso Olindo e Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), com a doutora Simone Alves Firmino, foi constatado que mulher que, supostamente, havia encontrado a criança na lixeira de sua casa, era a verdadeira mãe. Ela armou tudo para esconder a gravidez dos familiares e tentou se livrar da criança.

“Desde que a história da criança na lixeira chegou até a investigação, pudemos constatar que algumas coisas estavam mal explicadas e muita coisa não batia com a realidade. Prosseguindo o trabalho conseguimos descobrir que a Jocilene havia dada a luz e montou toda essa farsa de ter encontrado a criança na lixeira porque não tinha condições de criar o bebê. Felizmente, o caso foi esclarecido e agora a Justiça deverá decidir o que será feito dessa criança. Felizmente tudo foi, devidamente, esclarecido e a criança está sendo cuidada”, disse Olindo.

A delegada titular da DDM revelou que a mulher deverá responder processo apenas por falsa comunicação de crime. “A criança esteve com ela o tempo todo até a chegada dos policiais militares, que conduziram a criança para exames na Unesp e nada de anormal foi constatado. Ela irá responder por falsa comunicação de crime. Disse que fez isso por desespero. Com relação a situação da criança o caso ainda será avaliado”, disse Simone Firmino.

{n}{tam:25px}Mulher revela a farsa do bebê na lixeira{/n}{/tam}

{bimg:24721:alt=interna:bimg}

{n}Foto: Valéria Cuter{/n}

Em entrevista ao {n}Jornal Acontece Botucatu{/n}, a mulher revelou como todo o esquema foi montado na tentativa de enganar a polícia e seus familiares.

{n}Acontece – Jocilene, porque tudo isso?
Jocilene{/n} – Eu não tinha condições de criar o menino e achei que fazendo isso ele poderia conseguir uma família em condições e ter um futuro melhor. Comigo ele não teria futuro.

{n}Acontece – Mas e a lixeira. Você colocou essa criança na lixeira?
Jocilene {/n}– Em nenhum momento. A criança não saiu de dentro de casa. Quando a polícia chegou ela estava em casa agasalhadinha. Nunca teve criança na lixeira. Pode perguntar para os policiais que estiveram aqui. Eu é que falei que encontrei na lixeira.

{n}Acontece – Quando e onde essa criança nasceu?
Jocilene{/n} – Acho que eram 11horas da noite de terça-feira. Senti dores e a criança nasceu. Eu estava sozinha e minha filha de seis anos estava dormindo. Tive a criança sozinha.

{n}Acontece – E ninguém sabia que você estava prestes a dar a luz?
Jocilene{/n} – Escondi de todo mundo a minha gravidez, porque fiquei com medo de contar para minha família.

{n}Acontece – E o pai dessa criança?
Jocilene{/n} – Não sei onde ele está, sumiu!

{n}Acontece – E agora você vai querer essa criança de volta?
Jocilene{/n} – Vou dar para uma família que queira adotar, porque não tenho condições de criar. Se ficar comigo não vai ter futuro. Fiz tudo isso pensando no futuro dele.

{n}Acontece – Você não quer seu filho?
Jocilene {/n}- Não posso ficar com ele, seria mais um para passar fome. Todo mundo pode achar estranho, mas fiz isso por amor.

{n}Acontece – E agora?
Jocilene {/n}– Não sei…