Polícia Ambiental interdita “bolsão” de entulho

A Polícia Ambiental de Botucatu interditou o único bolsão para recebimento de resíduos inertes e de construção civil que estava em operação no distrito de Rubião Júnior, em Botucatu. Após receber denúncia, foi constatado que a área funcionava sem a Licença de Operação (LO). A empresa foi imediatamente autuada e interditada.

A medida gerou grande transtorno já que todas as empresas de caçamba da Cidade utilizavam o bolsão para depositar o material recolhido junto aos seus clientes. Apesar de não ser responsável pela destinação final desses resíduos, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente se apressou em convocar uma reunião entre todos os interessados a fim de buscar uma solução emergencial para o problema.

“A destinação de material inerte e de construção civil é uma responsabilidade de quem gera esse tipo de resíduo. As empresas de caçamba prestam um serviço ao cidadão que tem que descartar restos de construção e outros materiais. Apesar disso não poderíamos simplesmente dizer que esse não é um problema da prefeitura. Se nenhuma providência for tomada a curto prazo, podemos ter uma situação calamitosa, com a proliferação do descarte clandestino pela cidade”, alerta o secretário municipal de Meio Ambiente, Layre Colino Júnior.

Na manhã desta sexta-feira (26) o problema foi discutido durante reunião realizada na agência ambiental da Cetesb. Além de Colino, estiveram presentes o tenente da Polícia Ambiental, Gustavo Henrique do Nascimento; os representantes da Cetesb, Martinho Barbará Neto e Carlos Augusto Mendes, além de proprietários de empresas de caçamba da cidade.

Todos demonstraram preocupação com a gravidade da situação e ressaltaram a necessidade de somar esforços para encontrar uma alternativa que, no menor prazo possível, permita o descarte adequado dos resíduos que são recolhidos pelos caçambeiros. A proposta da Secretaria Municipal de Meio Ambiente é que a Cetesb autorize, em caráter emergencial, a utilização de áreas de transbordo de material, até que o bolsão de Rubião Júnior obtenha as licenças de instalação e de operação e volte a funcionar.

Nesse esforço integrado, a Prefeitura e os empresários do setor se comprometeram em apresentar sugestões de três áreas para serem vistoriadas pelos técnicos da Cetesb até a próxima segunda-feira (29). Durante a reunião, o proprietário de uma das empresas de caçamba anunciou que em breve dará entrada na Cetesb ao pedido de licenciamento de uma área para instalação de um aterro de resíduos inertes e de construção civil.

A Associação dos Caçambeiros de Botucatu também trabalha com essa possibilidade e caso os projetos sejam aprovados, a tendência é que o aumento das opções de descarte contribua para a redução de custos para as empresas e permita a prática de preços mais atraentes aos consumidores.