Polícia Ambiental faz apreensão de mais de 120 quilos de peixes

Em operação realizada nesta terça-feira (25), os policiais militares do {n} 2º Pelotão de Policia Militar Ambiental de Botucatu,{/n} sargento Oliveira e soldados Viotto e Andrade, flagraram mais um crime contra o Meio Ambiente. Executando patrulhamento embarcado pela represa de Barra Bonita, Bairro Rio do Peixe, município de Anhembi, os policiais abordaram um pescador identificado apenas pelas iniciais S.D.F., de 43 anos de idade e constataram no interior do seu barco, a existência de cinco quilos de filés de tilápias e 125 quilos de peixes da espécie corimbatá.

Ao ser questionado pelos policiais o abordado alegou ser pescador profissional e que estava pescando para complementar sua renda, uma vez que recebe o seguro de pesca para sobreviver e sabe sobre a proibição de pesca durante o periodo de Piracema, bem como sobre a proibição de pesca de peixes nativos do Rio Tietê.

{bimg:17425:alt=interna1:bimg}

Quando indagado sobre as redes, o mesmo informou onde elas estavam escondidas, levando a patrulha até o local, onde foram localizados três cordões de redes, composto por 10 redes de nylon cada um, num total de 30 redes, com malhas de 100 e 110 mm, com 1.050 metros de extensão.

{bimg:17426:alt=interna2:bimg}

Diante dos fatos, o pescador, o barco, o motor de popa, as redes e os peixes foram conduzidos até o Distrito Policial (DP) de Anhembi, onde a autoridade policial civil elaborou o Boletim de Ocorrência (BO) e auto de exibição e apreensão dos materiais, tendo em vista o fato constituir-se em crime ambiental de acordo com o artigo 34 da Lei nº 9.605/98, que prevê uma pena de até três anos de detenção. Também foram lavrados dois autos de infração ambiental, totalizando R$ 136.100,00 (cento e trinta e seis mil e cem reais) de multa.

{bimg:17427:alt=interna3:bimg}

Em razão da época de Piracema, que vai de novembro a fevereiro, época em que os peixes se reproduzem, a pesca profissional é restrita, para que a espécies dos rios brasileiros sejam preservados. Por isso a Polícia Ambiental orienta que o pescador flagrado praticando a pesca nesse período de reprodução responde por crime contra o Meio Ambiente que prevê aos infratores multas e prisões. A Polícia Ambiental atende pelo telefone (14) 3882-6070.

Fotos: Divulgação