Polícia Ambiental faz a apreensão de 850 quilos de tilápias

Nesta segunda-feira (16) o 2º Pelotão de Polícia Militar Ambiental de Botucatu, soldados Viotto, Rojas, Campos, Galvão e Andrade, durante a Operação Piracema, realizaram vistoria pelo município de Anhembi, as margens da represa Barra Bonita, especificamente no local conhecida como Ponte do Jaú.

No local, a patrulha surpreendeu uma pessoa beneficiando, aproximadamente, 850 kg de pescado tilápia, sem autorização do órgão ambiental competente e sem as mínimas condições de higiene. Com ele foi aprendido 850 quilos de peixes exóticos, cortados em filés e eviscerados, sem cabeça.

Foi lavrado um auto de infração ambiental, por beneficiar pescado sem autorização do órgão ambiental competente no valor de R$ 860.000,00. O pescado fora apreendido administrativamente e destinado ao aterro Sanitário de Botucatu.

{n}Período da Piracema{/n}

A Polícia Ambiental volta a lembrar que de acordo com as normas do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Produtos Renováveis (IBAMA), a Piracema, que é o período de desova dos peixes, foi iniciada 1º de novembro de 2011 e se estende até 28 de fevereiros de 2012, ficando a pesca das espécies nativas proibidas, para que os peixes reofílicos (que migram para reprodução) possam nadar contra a correnteza em uma subida árdua até as cabeceiras dos rios, para se reproduzirem. Nesta jornada eles têm de vencer também a pesca predatória feita, clandestinamente, com armadilhas, redes, tarrafas, puças, e outros artifícios por pescadores e outras pessoas sem a devida preocupação com o futuro dos peixes.

“Os peixes que não migram, não amadurecem seu processo hormonal e, consequentemente, não se reproduzem, o que não contribui para a perpetuação da vida”, diz o policial Viotto. “A pesca, neste período, pode se caracterizar em crime e o infrator poderá ser preso em flagrante e pagar multa, cujo valor varia de acordo com a gravidade da infração, pois através destas medidas, evita-se o desequilíbrio ecológico nos rios”, acrescenta o policial.